11:55 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Syrian Prime Minister Wael Nader al-Halqi

    Primeiro-ministro sírio: Ações dos EUA são ilegítimas

    © AP Photo/
    Mundo
    URL curta
    0 591161

    Wael Nader al-Halqi, primeiro-ministro sírio, exprimiu a posição síria para com o combate ao terrorismo e avaliou o papel da Rússia, em entrevista às agências de notícias russas RIA Novosti e Sputnik.

    O primeiro-ministro sírio afirmou que as ações da coalizão internacional para derrotar o Estado Islâmico (EI) são ilegítimas e contraproducentes.

    “A Síria não considera as ações dos EUA produtivas nem na Síria, nem no Iraque,” disse Wael Nader al-Halqi, chamando a atenção ao fato de que alguns membros da coalizão apoiam agrupamentos terroristas.

    O primeiro-ministro também fez lembrar que a coalizão não tem o aval do Conselho de Segurança da ONU e não se enquadra no direito internacional.

    “Washington está interessado no desenvolvimento da luta contra o terrorismo somente para realizar os seus objetivos, entre os quais estão a divisão da região, da sociedade local, a repressão das forças que lhes estão em oposição”.

    Ao mesmo tempo, Wael Nader al-Halqi acrescentou que Damasco não exclui a cooperação com qualquer país que esteja realmente pronto para lutar contra os terroristas e não apenas imitar tal luta, como fazem os EUA.

    Entretanto, o primeiro-ministro avaliou altamente a política de princípios de Vladimir Putin e sublinhou que se trata nem só da Síria, mas de todos os povos do mundo, porque a política se baseia nos princípios do direito internacional.

    “Confiamos no presidente Putin e na administração russa. Se não fosse a ajuda russa em todas as esferas, tanto econômica como política, a Síria não teria conseguido se opor ao terrorismo”.  

    O premiê sírio lembrou que a Rússia forneceu à Síria produtos alimentícios e derivados do petróleo, necessários para transportes ferroviários, hospitais e projetos energéticos: 

    “A Rússia ocupa o primeiro lugar entre os países que prestaram apoio à Síria”. 

    A Síria está em uma situação de guerra civil desde março de 2011. No seu território atuam vários agrupamentos terroristas. Um deles é o Estado Islâmico, grupo jihadista que pretende estabelecer um califado nas áreas sob seu controle.

    A coalizão internacional liderada pelos EUA vem lançando ataques aéreos contra as posições do EI no Iraque desde agosto de 2014, tendo expandido a operação para a Síria em setembro do mesmo ano, sem, contudo, coordenar suas ações com o governo em Damasco. De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (SOHR, na sigla em inglês), os ataques aéreos da coalizão liderada pelos EUA contra o Estado Islâmico (EI) na Síria já mataram quase 3.000 pessoas, incluindo civis, desde o lançamento de suas operações.

    Mais:

    Síria quer uma vaga na União Eurasiática
    Assad culpa políticas ocidentais por crise na Síria
    EUA querem saber quem usou armas químicas na Síria, mas por que agora?
    Vladimir Putin e Barack Obama voltam a discutir a crise na Síria
    Tags:
    EUA, Rússia, direito internacional, terrorismo, Conselho de Segurança da ONU, Estado Islâmico, Wael Nader al-Halqi, Vladimir Putin, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik