06:13 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Cuba

    Jornalista espanhol diz que Cuba não precisa da Europa e critica estratégia dos EUA

    © flickr.com/ Iker Merodio
    Mundo
    URL curta
    1550101

    Cuba não precisa da Europa e não a vê como uma prioridade, enquanto a "Posição Comum" da União Europeia sobre Cuba não ajuda a mudar isso. Essa é a avaliação do analista político espanhol José Manuel Martín Medem, jornalista da RTVE que trabalhou durante anos como correspondente internacional na Colômbia, no México e em Cuba.

    Em entrevista à Sputnik, o especialista explicou que, por conta da chamada "Posição Comum" dos países europeus em relação a Cuba, Bruxelas levou muito tempo para tentar normalizar as relações com Havana, sendo facilmente ultrapassada por Washington, que hoje reabriu a sua embaixada na ilha caribenha. 

    "A União Europeia foi muita lenta mais uma vez, porque criou uma "Posição Comum" sobre Cuba, seguindo os EUA, e agora, enquanto Washington e Havana reabrem suas embaixadas, Bruxelas ainda está discutindo se essa "Posição Comum" deve ser abandonada", declarou.

    De acordo com o jornalista, o seu país em particular, a Espanha, contribuiu muito para o distanciamento entre a Europa e Cuba desde o final dos anos 1990 até meados da primeira década deste século, durante o governo de José María Aznar. Uma pequena mudança na posição espanhola só foi verificada durante o governo de José Luis Rodríguez Zapatero. Mas, ainda assim, segundo ele, nem a Espanha nem a Europa têm hoje algo realmente interessante a oferecer a Havana. 

    "Hoje, Cuba tem um espectro de relações diplomáticas mais amplo do que nunca, e a Europa não representa um interesse político nem econômico ou geoestratégico", afirma o analista, citando o caso do chanceler espanhol José Manuel García-Margallo, que, em visita à ilha no ano passado, foi "humilhado" ao não ser recebido pelo presidente cubano, Raúl Castro. 

     

    Estados Unidos

    Já no caso da aproximação entre Havana e Washington, Medem acredita que, com essa mudança na postura norte-americana, os Estados Unidos inauguram na verdade "uma nova política contra a América Latina". Para ele, o restabelecimento dos laços com Cuba significa para a Casa Branca uma manutenção dos seus objetivos no continente, que são "recuperar a influência e a capacidade de controle" na região, cada vez mais próxima dos russos e dos chineses. Mas, agora, isso se dará através de outros procedimentos.

    Segundo Medem, com a reabertura de sua embaixada no país, depois de 54 anos de hostilidades, os Estados Unidos substituem décadas de "agressões econômicas, políticas, diplomáticas, militares e terroristas" por "pressões principalmente econômicas e culturais", que têm como objetivo "a evaporação simultânea do bloqueio e do projeto cubano de socialismo". 

    O estranho, no entanto, de acordo com o jornalista, é que ao mesmo tempo em que tenta retomar a sua relação com Cuba, Washington intensifica a sua oposição à Venezuela, grande aliada cubana, produzindo uma "terrível escalada de assédio" contra Caracas a poucos meses das eleições parlamentares venezuelanas, marcadas para dezembro. 

    "Não tem muita lógica que os EUA suavizem seus laços com Cuba e que, simultaneamente, sendo a Venezuela a principal aliada de Cuba, Washington empregue com o governo de Caracas uma política distinta e de assédio". Essa estratégia é "muito ruim", afirma.

    Seja como for, Medem destaca que Cuba faz uma distinção clara entre o "restabelecimento das relações diplomáticas" com os EUA, confirmadas pela reabertura das embaixadas, e o "processo de normalização", que será "longo e complexo", devendo incluir, segundo o próprio presidente cubano, "a eliminação do bloqueio", "a devolução de Guantánamo" e a eliminação dos "programas ilegais para financiar a subversão dentro da ilha", entre outras coisas. 

    "Cuba inclusive pede uma indenização pelos 50 anos de bloqueio", acrescenta o especialista. 

    Mais:

    Reaproximação à norte-americana: toma Cuba, muda governo
    Representação dos EUA em Havana é reconvertida mas permanece ainda sem bandeira
    Tags:
    Sputnik, José Manuel Martín Medem, José María Aznar, José Luis Rodríguez Zapatero, José Manuel García-Margallo, Guantánamo, Caribe, América Latina, Bruxelas, México, Colômbia, Washington, Havana, Europa, Espanha, EUA, Cuba
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik