10:43 19 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira da Grécia

    Bancos gregos voltam a funcionar mas carreira de Tsipras está em questão

    © AFP 2018 / ANDREAS SOLARO
    Mundo
    URL curta
    181

    Os bancos gregos abrem portas após três semanas de impasse devido às negociações sobre dívida externa do país. Mas os limites de levantamento de dinheiro e restrições a transferências para o estrangeiro continuam em vigor. A Grécia espera ainda um aumento de preços.

    Esta segunda-feira (20) as novidades na Grécia não foram só a reabertura dos bancos, mas também o aumento do imposto sobre valor acrescentado (IVA) no setor da restauração e transportes públicos. O país também deve pagar 3,5 bilhões de euro ao Banco Central Europeu, em caso contrário a instituição irá cortar o financiamento de emergência aos bancos gregos.

    Cabe lembrar que, em 30 de julho, a Grécia já falhou o pagamento de US$ 1.8 bilhões ao FMI.

    French President Francois Hollande gestures as he answers a question during a news conference at the Elysee Palace in Paris February 5, 2015
    © REUTERS / Philippe Wojazer
    Enquanto a Grécia continua à beira da falência, na segunda-feira passada (13), os líderes da zona do euro chegaram a um acordo com o governo grego sobre um terceiro pacote de resgate financeiro. O acordo alcançado adiou o chamado Grexit, ou seja, a saída da Grécia da zona do euro.

    Os 19 países da moeda única são também afetados com a crise grega: os déficits públicos aumentaram, tal como a dívida. Nos termos do Tratado de Maastricht de 1992, os países que têm uma moeda comum devem obedecer a regras sobre o endividamento e o limite do déficit. Mas as únicas soluções dos problemas têm sido os resgates, ou seja, mais empréstimos, por parte das instituições europeias e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

    Um dos arquitetos do euro, Jacques Delors, ex-presidente da Comissão Europeia, completa hoje (20) 90 anos de idade. Em homenagem a Delors, o presidente francês, François Hollande, concedeu uma entrevista à edição francesa Journal du Dimanche, na qual sugeriu estabelecer um governo da zona do euro.

    “A moeda única é muito mais de que a convergência econômica.”

    Além disso, Hollande sublinhou que a zona do euro deve ser liderada por “uma vanguarda de países”. Segundo ele, a França está disposta a participar neste processo porque, como Jacques Delors mostrou, o país se torna mais forte quando mostra iniciativa na Europa.

    Enquanto isso existe a opinião de que a instituição proposta não resolverá os problemas dentro a UE e do euro.

    Lembramos que na sexta-feira (17), a Comissão Europeia liberou um empréstimo de emergência, no valor de 7 bilhões de euros, destinado a cobrir as despesas imediatas de Atenas junto ao FMI e o Banco Central Europeu. A quantia chegou hoje ao país. Nas próximas semanas, os políticos gregos deverão acertar com os seus credores o restante das pendências para garantir um terceiro resgate ao país, que poderá chegar a 86 bilhões de euros, ao longo de três anos. 

    O premiê grego, Alexis Tsipras, junto com a coalizão no poder no seu país, defendeu a reestruturação da dívida grega e mais independência nos assuntos econômicos dentro da UE. Recorde-se que ele chegou ao poder através de promessas de acabar com a política de austeridade.

    O referendo realizado por sua iniciativa em 5 de julho foi o culminar da recusa dos gregos de seguir a política imposta pela UE e FMI. O "defensor do não" às medidas de austeridade propostas por credores à Grécia, o ex-ministro das Finanças Yannis Varoufakis, demitiu-se justamente depois do plebiscito, deixando a mensagem de que cumpriu a sua tarefa.

    Neste contexto, o presidenciável de Portugal Paulo Morais opinou em exclusivo à Sputnik Brasil que está na hora de o premiê grego sair. O político português argumentou a sua opinião pelo fato de que Tsipras agora implementa o contrário do que sempre defendeu.

    “Eu acho verdadeiramente que o próprio primeiro-ministro grego neste momento deveria fazer é eventualmente sair, porque já não exerce o cargo com dignidade.”

    Com o objetivo de mostrar a Tsipras as consequências da austeridade, Paulo Morais convidou mesmo o premiê a visitar Portugal.

    Tags:
    Zona do Euro, dívida, crise econômica, Alexis Tsipras, François Hollande, União Europeia, Grécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik