11:15 18 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Vladimir Putin, presidente da Rússia, e Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia.

    União Europeia usa Crimeia para fazer Rússia brigar com Turquia

    © Sputnik/ Sergey Guneev
    Mundo
    URL curta
    12 0 936

    A União Europeia continuará a mostrar os tártaros da Crimeia, que pertencem ao grupo dos povos turcos, como uma minoria oprimida na Crimeia e usará o conflito para estragar as relações entre a Rússia e a Turquia, de acordo com Deutsch Türkische Nachrichten, (Notícias dos Turcos Alemães).

    Mostrando o grupo étnico como uma minoria oprimida, a UE faz surgir um conflito entre os dois países (conflito até agora inexistente) o que pode destabilizar o Cáucaso e a Ásia Central, avisa a edição.

    No entanto, o website diz que a Rússia e a Turquia podem resolver facilmente o problema dos tártaros da Crimeia assegurando liberdades culturais e linguísticas a esta minoria étnica, que predominou na península entre os séculos XV e XVIII. Ancara e Moscou devem cooperar estreitamente para controlar as potenciais tendências separatistas.

    Além disso, a edição faz notar que a União Europeia usa a política de duplos padrões quanto às minorias étnicas. Ao mesmo tempo que chama a atenção aos tártaros da Crimeia, a UE fecha os olhos aos conflitos no Oriente Médio e na África e viola as normas legais no que se refere aos refugiados que chagam por via marítima à Europa.  

    A União também não reagiu ao homicídio do jornalista opositor ucraniano Oles Buzina que foi morto a tiro perto de sua casa em abril do ano passado por dois homens mascarados.

    O que é certo e o que é errado é determinado por Bruxelas, afirma o site, acrescentando que se pode observar como as capitais europeias estão perdendo o sentido da realidade.

    Mais:

    Rússia e Turquia apostam na produção conjunta de armas
    Turquia e Rússia podem concluir acordo de livre comércio até o final do ano
    Tags:
    Turquia, tártaros, Rússia, minorias, Crimeia, Turquia, UE, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik