13:41 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Presidenta Dilma Rousseff participa de sessão plenária e cerimônia de transmissão da Presidência Pro Tempore do Mercosul à República do Paraguai durante 48ª Cúpula do Mercosul no Palácio do Itamaraty.

    União e busca de novos mercados é a estratégia do Mercosul para avançar na crise mundial

    Roberto Stuckert Filho/PR
    Mundo
    URL curta
    Geórgia Cristhine
    129980

    A Presidenta Dilma Rousseff destacou nesta sexta-feira (17), durante a plenária da 48.ª Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul e Estados Associados, em Brasília, a importância de fortalecer e impulsionar o intercâmbio comercial do bloco, como estratégia fundamental para combater a crise econômica mundial.

    Participaram do encontro com Dilma Rousseff, no Palácio do Itamaraty, os presidentes dos Estados-Partes – Paraguai, Horacio Cartes; Uruguai, Tabaré Vázquez; Argentina, Cristina Kirchner; Venezuela, Nicolás Maduro – e os presidentes e representantes de Chile, Peru, Equador, Colômbia, Bolívia, Suriname e Guiana, Estados Associados ao Mercosul.

    Dilma afirmou que a meta é fazer com que o Mercosul se transforme num instrumento efetivo para enfrentar a conjuntura econômica adversa que afeta atualmente os países do grupo. “O Mercosul é uma das ferramentas importantes nessa estratégia”, disse a presidente. “O comércio intrarregional cresceu quase 12 vezes desde a criação do bloco, enquanto o comércio mundial no mesmo período multiplicou-se por 5. Trata-se também de um comércio com grande qualidade – 80% das exportações brasileiras ao bloco são de bens industrializados. Sabemos, no entanto, que nos últimos anos assistimos a uma relativa desaceleração, e temos de continuar lutando para ampliar as nossas relações comerciais, de investimento em todas áreas sociais e culturais.”

    Em seu discurso, Dilma ressaltou que o bloco não pode se intimidar com a crise econômica, e que é preciso cada vez mais investir na integração dos países sul-americanos em busca do crescimento e desenvolvimento dos povos, exaltando que, por causa da união entre os países do Mercosul, os reflexos da crise internacional foram minimizados. “Precisamos, sobretudo, continuar fortalecendo e fomentando o intercâmbio intrazonal, retomando a fluidez das trocas entre os sócios do Mercosul. A crise não pode ser razão para criarmos barreiras comerciais entre nós. Pelo contrário, ela deve reforçar a nossa integração e a nossa solidariedade. Nós vamos transformar todas as nossas dificuldades em oportunidades para ampliar e fortalecer a solidariedade da nossa Cúpula.”

    A Presidenta Dilma Rousseff disse ainda ser importante buscar acordos fora do Mercosul, como a troca de ofertas com a União Europeia, que é a meta para o último trimestre deste ano, além de destacar a aproximação com Coreia, Japão, Líbano e Tunísia. “Durante a presidência brasileira [do Mercosul], trabalhamos com os demais países do bloco no aperfeiçoamento da oferta para a União Europeia e definimos com o lado europeu o objetivo de proceder a troca de ofertas no último trimestre deste ano, na relação que nós tivermos em Bruxelas nos meses passados. Promovemos reuniões também com a Associação Europeia de Livre Comércio, com o Líbano, a Tunísia, a Coreia e o Japão. Apresentamos à Aliança do Pacífico proposta para o aprofundamento do diálogo entre os dois blocos.”

    Ainda no campo econômico, Dilma mencionou que o bloco continua empenhado em consolidar a união aduaneira, sem esquecer que as regras do Mercosul devem se manter flexíveis.

    De acordo com a presidente, o Brasil sempre defendeu que as economias menores devem se beneficiar da integração do Mercosul, e por isso o Brasil apoiou a continuação do Focen, o Fundo para a Convergência Estrutural do Mercosul. “Esse Fundo é um instrumento importante e indispensável para a redução das assimetrias do bloco. Por esse Fundo, nós tivemos o equivalente a US$ 1 bilhão sendo atribuído aos diferentes Estados-membros, com prioridade para os menores, em 44 projetos, a imensa maioria concentrada na área de infraestrutura. A proposta do Focen agora renovado está na essência da nossa concepção de uma integração regional sem hegemonismos, capaz de articular harmonicamente economias distintas, e economias de dimensões diferentes.”

    A Presidenta Dilma ainda ressaltou que o compromisso com a democracia se reflete também no posicionamento assumido nos foros multilaterais, e que não há espaço para práticas antidemocráticas no bloco do Mercosul. Para Dilma, a determinação dos governos do bloco de trabalhar pela integração permite que se tenha hoje uma região marcada pela paz e pela democracia. “Temos que persistir nesse caminho, evitando atitudes que acirrem disputas e incitem a violência. Não há espaço para aventuras antidemocráticas na América do Sul, na nossa região. Nosso compromisso com a democracia reflete também no posicionamento que assumimos nos fóruns multilaterais: privilegiamos a solução pacífica de controvérsias, promovemos e defendemos os direitos humanos, trabalhamos em prol do multilateralismo, e defendemos a democratização das instituições de governança global, tanto políticas, quanto econômicas, para que recuperem sua representatividade, legitimidade e eficácia, dado o tempo histórico que passou desde as suas constituições. A determinação dos nossos governos de trabalhar pela integração nos permite ter hoje uma região marcada pela paz, pela democracia e pela cooperação, e todos nós queremos que ela assim permaneça.”

    Ainda na sessão plenária, Dilma Rousseff anunciou a inclusão da Bolívia como Estado-Parte do Mercosul. “É o fortalecimento do Mercosul com a entrada oficial da Bolívia entre os Estados-Partes. A Bolívia e o Mercosul vêm tendo livre comércio em razão do acordo a que nós assinamos com eles em 1996. Assim, na presidência brasileira, nossas equipes técnicas trabalharam para acelerar os trâmites em cada país, para que a entrada da Bolívia se dê de forma bastante tranquila.”

    Também foram debatidos pelos membros do Mercosul na 48.ª Cúpula a cooperação acadêmica, a declaração sociolaboral de emprego e trabalho decente, o desenvolvimento de projetos na área da saúde e a segurança digital.

    A Presidenta Dilma destacou ainda a importância da 18.ª Cúpula Social do Mercosul, que antecedeu a Cúpula dos Chefes de Estado e em que foram fortalecidos compromissos que vão permitir cada vez mais a participação dos movimentos sociais do processo democrático. Também na Plenária, Dilma anunciou a decisão dos integrantes do bloco de declarar o ex-presidente  brasileiro João Goulart, morto em 1976, como Cidadão Ilustre do Mercosul.

    Depois de presidir pela terceira vez a Cúpula do bloco, a Presidenta Dilma Rousseff encerrou a 48.ª edição do encontro passando a presidência do Mercosul para Horácio Cartes, presidente do Paraguai. De acordo com o Tratado de Assunção (o documento constitutivo do Mercosul), a Presidência do Conselho do Mercado Comum é exercida por rotação dos Estados-Partes, pelo período de seis meses.

    Tags:
    Cúpula do Mercosul, Mercosul, Horacio Cartes, Tabaré Vázquez, Nicolás Maduro, Cristina Fernández de Kirchner, Dilma Rousseff, Suriname, Guiana, Paraguai, Chile, Colômbia, Bolívia, Uruguai, Venezuela, Peru, Equador, Argentina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik