07:13 18 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Possíveis sinais de estilhaços de um míssil nos destroços do MH17

    Donetsk revela documentos sobre queda do Boeing malaio no aniversário da tragédia

    © Sputnik/ Andrei Stenin
    Mundo
    URL curta
    0 770152

    No aniversário de um ano da queda do voo MH17, na Ucrânia, as autoridades da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD) divulgaram uma série de documentos relativos à investigação das causas do acidente.

    A documentação foi entregue à Agência de Notícias de Donetsk, segundo a qual o conteúdo do arquivo recebido contém relatos de testemunhas, materiais fotográficos, perícias médicas, protocolos de inspeção do local de acidente, entre outros.

    “No aniversário de um ano da queda do Boeing 777 a procuradoria geral da RPD tornou públicos documentos sobre a investigação das causas da catástrofe” – informou a publicação.

    Segundo a agência, os relatos de testemunhas representam um dos elementos centrais da documentação apresentada. Em particular, uma dessas testemunhas relata ter ouvido barulhos parecidos com tiros pouco tempo antes da queda da aeronave. Outra testemunha conta der escutado o ruído de um motor a jato logo após a queda.

    Os materiais revelam ainda que dentre as muitas pessoas que presenciaram de alguma forma a tragédia, a grande maioria dos relatos aponta para a presença de uma segunda aeronave no local. Uma dessas testemunhas, inclusive, indica precisamente tratar-se de um avião cinza com motor a jato.

    “Nesse momento eu escutei dois estalos no céu parecidos com explosões. Em seguida teve uma outra explosão forte. Ao olhar para cima eu vi despencando um grande avião que estava sem uma das asas, e que em seguida caiu em direção ao vilarejo de Grabovo, de onde começou a subir uma fumaça densa. Entre as explosões no céu e a queda do avião passaram-se cerca de 15–20 segundos” – cita um dos relatos da Procuradoria Geral da república divulgados nesta sexta-feira pela Agência de Notícias de Donetsk.

    A procuradoria de Donetsk destacou que “a investigação deve ser dirigida para a verdade, e não para satisfazer interesses e ambições de terceiros”, e declarou estar disposta a colaborar em qualquer momento com o inquérito.

    O ministério para Situação de Emergência de Donetsk também expressou apoio às investigações. No decorrer do último ano os funcionários da entidade participaram ativamente dos trabalhos no local do acidente, ajudando especialistas internacionais e representantes da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) nas buscas dos corpos das vítimas e no levantamento de relatos de testemunhas.

    Há exatamente um ano, em 17 de julho de 2014, um avião da Malaysia Airlines que fazia o voo MH17 entre Amsterdã e Kuala Lumpur caiu em Donetsk, no Leste da Ucrânia, área de intensos conflitos envolvendo grupos independentistas da região de Donbass e militares do Governo de Kiev. Todas as 298 pessoas a bordo da aeronave morreram no acidente.

    Na quarta-feira (15) a Malásia introduziu no Conselho de Segurança da ONU um projeto de resolução sobre a criação de um tribunal internacional de investigação do acidente do voo MH17.

    Mais:

    Advogado alemão acusa Poroshenko de homicídio por causa do Boeing malaio
    Especialista: Vazamentos de informações sobre voo MH17 não podem ser levados a sério
    China apoia posição russa na investigação do acidente do voo MH17 na Ucrânia
    Tags:
    acidente aéreo, tragédia, queda, MH17, Agência de Notícias de Donetsk, Donetsk, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik