01:43 19 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Forças de segurança afegãs

    Afeganistão: EUA não respeitam promessas

    © AFP 2017/ SHAH MARAI / AFP
    Mundo
    URL curta
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)
    256291

    Ninguem gosta de guerra e especialmente os afegãos que já estão cansados de guerras das últimas décadas. No entanto, a operação para derrubar o Talibã foi vista por muitos - não apenas no norte, mas também no centro e no sul do país - com esperança, apesar dos altos gastos dos Estados Unidos na região.

    E agora, quando tornou-se claro que não é possível combater o Taliban, no Afeganistão apareceu outra organização terrorista — Estado Islâmico.

    A Sputnik Dari contatou Hafez Rasekh, membro do Partido de Solidariedade do Afeganistão, para conhecer o que os afegãos acham da eficiência do combate ao terrorismo na versão dos EUA:

    "Os americanos não cumpriram nenhuma das promessas. E não é claro por que? Quem os perturbou? Especialmente no início, quando a credibilidade às forças internacionais foi ainda alta no país. Quando tudo começava, eles podiam implementar todas as suas ideias para combater terrorismo (se realmente o queriam!). De quais resultados vocês querem falar quando a situação no país está piorando cada dia. De acordo com relatórios de organizações internacionais bilhões de dólares estão investidos para o Afeganistão. Vamos admitir que este dinheiro virá, mas ninguém sabe em cujos bolsos pára. O que foi construído por esses bilhões? O país sofre de desemprego crescente já que o numero de não apenas pobres, mas pessoas em condições de extrema pobreza é assustável. A grave crise no setor da agricultura, bem como na indústria. Resultados excelentes! De que estamos falando? Se teríamos pelo menos a segurança! Mas nada! Mas que sentido têm as tropas norte-americanas no território do Afeganistão se eles não podem garantir nem segurança nem combater o terrorismo?"

    Vale lembrar que no mês passado o inspetor-geral especial dos EUA para a reconstrução do Afeganistão (SIGAR) John Sopko criticou as atividades de seu país no Afeganistão, expressando preocupação especial sobre os gastos irracionais. 

    Uma economista da Universidade de Harvard, Linda Bilmes calculou em 2013 que as guerras do Afeganistão e do Iraque se tornaram "as mais caras da história dos EUA", com os custos médicos e cuidados adicionais iminentes antes até mesmo das guerras acabarem.

    Há um relatório do Pentágono, divulgado em meados de junho, que salienta que a situação de segurança no Afeganistão não permite que as forças locais acabarem com os desafios atuais. Militares dos EUA admitem que a solução de problemas atuais no Afeganistão precisam de muitos anos de apoio externo.  

    Tema:
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)

    Mais:

    Ataque suicida provoca 18 mortes perto de base militar dos EUA no Afeganistão
    Segurança no Afeganistão foi um dos temas centrais da Cúpula da SCO em Ufá, na Rússia
    Tags:
    guerra, Taliban, OTAN, Estados Unidos, Afeganistão, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik