13:45 08 Março 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    108
    Nos siga no

    Um prisioneiro da Base Naval da Baía de Guantánamo que teria passado por alimentação forçada quase 1.300 vezes conta sua história à Sputnik.

    O processo judicial que visa publicar vídeos em que presos de Guantánamo, prisão norte-americana para detentos acusados de terrorismo, são alimentados à força é um espectáculo político, disse o ex-prisioneiro Jihad Deyab à Sputnk.

    “Eu é que tomo a decisão se os vídeos devem ser lançados ou não, e ainda não decidi,” disse na quarta-feira (15) Deyab, de 44 anos, que passou 13 anos em Guantánamo sem julgamento. Agora ele está no Uruguai.

    Deyab, um sírio naturalizado nascido no Líbano, teria sido submetido a cerca de 1.300 alimentações forçadas em Guantánamo. Ele foi o primeiro prisioneiro da prisão que conseguiu fazer com que os funcionários da justiça civil mandássem os militares norte-americanos parar de o alimentar pela força.

    Vários meios de comunicação, incluindo o The New York Times e o The Guardian, pediram para obter os vídeos em que Deyab é alimentado pela força. Estas exigências se adicionaram às dos advogados de prisioneiros de Guantánamo.

    "Vou pedir que eles [o tribunal] me deem a versão editada e só então vou decidir", disse Deyab à Sputnik, explicando que os vídeos mostram seu "sofrimento pessoal" e que ele é "a única pessoa autorizada [a permitir que o vídeo seja lançado], já que eu [Deyab] fui o protagonista involuntário dessas gravações  que eu nunca pude ver".

    Espetáculo político

    Na semana passada, a Juiza Federal Gladys Kessler pediu ao governo dos EUA para parar de atrasar a publicação de mais de 30 vídeos em que Deyab é alimentado pela força durante onze horas seguidas.

    De acordo com o ex-prisioneiro de Guantánamo, todo o processo judicial sobre os vídeos é um "espetáculo político", incluindo "denúncias da mídia, escutas, decisões judiciais segundo os quais o governo deve ser obrigado a somente “fingir” que as autoridades obedecem à lei e ao processo judicial devido. “Se esse processo tivesse sido seguido de modo verdadeiro em primeiro lugar, Guantánamo nunca teria existido", Deyab disse à Sputnik.

    Deyab foi libertado de Guantánamo em dezembro de 2014. Em outubro de 2014 Kessler ordenou a publicação de vídeos de alimentação forçada, mas o governo dos EUA recorreu da decisão e um tribunal de apelação devolveu o caso ao juiz. Agora, o juiz diz que as autoridades devem publicar a primeira parte de cinco horas de gravações antes de 31 de agosto, mas a decisão pode ser apelada em tribunal pela segunda vez.

    Deyab disse à Sputnik que ele assinou um acordo a este respeito com seus advogados "para que eles não possam fazer nada sem meu consentimento" e pediu ao governo dos Estados Unidos para devolver "escritos, desenhos e pinturas" que ele fez em Guantánamo.

    Táticas cruéis

    Prisão de Guantánamo
    © East News / Tech. Sgt. Michael R. Holzworth
    Jihad Deyab foi um dos prisioneiros de Guantánamo que participaram na greve de fome em fevereiro, 2013. Além disso, ele é um dos quarenta prisioneiros que foram alimentados pela força. De acordo com Deyab, a prática mais comum foi inserir um tubo através do nariz dos prisioneiros.

    Os advogados de Deyab fizeram uma proposta solicitando o fim da alimentação forçada em junho de 2013 porque é um tratamento cruel e incomum.

    Deyab disse à Sputnik que os guardas de Guantánamo o bateram até ele desmaiar cada vez que no noticiário mostraram o processo judicial sobre a alimentação forçada.

    A prisão de Guantánamo situada em Cuba é criticada severamente pelos ativistas dos direitos humanos, governos e mídia desde a sua criação em 2002. Os trabalhadores da saúde, inspetores e ex-prisioneiros descreveram as condições na prisão como cruéis e desumanas, falando sobre o uso da tortura.

    Barack Obama, presidente dos EUA, tem afirmado repetidamente que ele iria fechar a prisão, mas esta continua a funcionar.

    Tags:
    justiça, tortura, tribunal, Guantánamo, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar