11:09 18 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Manifestantes protestam contra privatização de empresa em Portugal

    Tsipras é convidado a conhecer "trágicos resultados" do plano de austeridade em Portugal

    © AP Photo/ Francisco Seco
    Mundo
    URL curta
    1567152

    O candidato à presidência de Portugal, Paulo Morais, que no ano passado foi vice-presidente da Câmara de Porto, criticou duramente as medidas de austeridade econômica exigidas pela UE em novo acordo com a Grécia.

    Em entrevista ao programa "Terça à Noite" da rádio portuguesa Renascença, Morais denunciou as muitas privatizações desvantajosas ocorridas em Portugal no decorrer dos últimos dez anos e convidou o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras a visitar Portugal para ver os resultados "trágicos" do programa da troika (BCE, FMI e Comissão Europeia).

    "Acho que o primeiro-ministro grego devia vir a Portugal ver as consequências negativas do plano de austeridade que foi aplicado aqui e que agora querem replicar na Grécia" – disse Morais.

    O candidato à presidência destacou que, do ponto de vista econômico, os últimos 10 anos foram desastrosos para a infraestrutura produtiva e a para a economia dos próximos 50 anos de seu país.

    Morais explicou que as parcerias público-privadas de José Sócrates [premiê de Portugal entre 2005 e 2011] e mais um conjunto de negócios levaram o país à falência", e que, depois, "um conjunto de grupos econômicos, essencialmente europeus, vieram a Portugal aos saldos e Passos Coelho [atual primeiro-ministro de Portugal] foi o caseiro que vendeu a retalho o pouco que restava no Estado português".

    "Passos Coelho e os seus amigos criaram em Portugal uma nova estrutura de poder econômico à custa das privatizações, sem qualquer sentido estratégico", diz Paulo Morais.

    A troika, formada por Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI), foi responsável por negociar as condições do resgate financeiro na Grécia, no Chipre, na Irlanda e em Portugal, assim como avaliar o seu cumprimento.

    Em 2011, a troika avaliou as contas públicas de Portugal para definir as necessidades de financiamento do país, e foi responsável por toda a ação de sua reestruturação econômica.

    Mais:

    Deputado russo quer revogação de sanções para ajudar Grécia
    Presidente tcheco: Saída da zona do euro será solução razoável da crise na Grécia
    Zona do euro alcança acordo sobre a Grécia
    Tags:
    troika, austeridade, programa de resgate, BCE, Comissão Europeia, FMI, Paulo Morais, Grécia, Portugal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik