13:47 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Primeiro ministro da Grécia Alexis Tsipras

    Europa não quer pagar dívida da Grécia enquanto Tsipras cede perante credores

    © REUTERS/ Alkis Konstantinidis
    Mundo
    URL curta
    3893013

    O premiê grego, Alexis Tsipras, após o encontro com altos representantes europeus (Angela Merkel, François Hollande e Donald Tusk) apresentou um acordo de compromisso sobre a questão da dívida do seu país que contraria o resultado do referendo realizado uma semana antes.

    O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, a chanceler alemã Angela Merkel, o presidente francês François Hollande, e o presidente do Conselho Europeu Donald Tusk apresentaram na segunda-feira (13) o novo plano para resolver o problema da dívida grega, não obstante a recusa dos próprios gregos da política de austeridade, exigida pelos credores.

    Como parte do plano apresentado, segundo o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, a UE planeja usar o Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira (EFSM na sigla em inglês) para manter a situação econômica da Grécia sob controlo. 

    O EFSM financia-se nos mercados internacionais, usando o próprio orçamento da UE como garantia, e pode liberar bilhões de euros com só um aceno dos ministros das Finanças da UE.

    Os empréstimos do EFSM podem ser concedidos a todos os 28 Estados-Membros da UE, e não apenas a membros da zona do euro. Babis admitiu que este mecanismo poderia ser usado apenas temporariamente.

    Em teoria o plano parece bom, mas na prática o descontentamento pela obrigação de salvar a Grécia aumenta na Europa. A Sputnik coletou vários exemplos de comentários de desagrado – tanto de políticos, como de gente comum.

    Reino Unido

    O chanceler britânico George Osborne declarou na terça-feira (14) que o Reino Unido não está preparado para se juntar à salvação da Grécia, porque não faz parte da zona do euro:

    "A Grã-Bretanha não pertence à zona do euro, por isso a ideia de que os contribuintes britânicos deverão participar no acordo grego não é de maneira nenhuma uma solução. A zona do euro deve arcar com a sua própria conta."

    República Tcheca

    A República Tcheca recusou participar no pagamento da dívida grega ou prestar qualquer assistência financeira, segundo declararam o premiê, Bohuslav Sobotka, e o ministro das Finanças, Andrej Babis, na coletiva após a reunião do governo na segunda-feira (13). 

    “A República Tcheca nega servir como o garante das dívidas gregas, e o Conselho Europeu já havia declarado que este mecanismo não seria usado após junho de 2013. Continuamos pensando que o mecanismo não deve ser usado. Se temos que recorrer ao mecanismo, deveria ser usado só temporariamente.”

    França

    A chefe do partido francês Frente Nacional, Marine Le Pen, declarou na coletiva sobre a crise grega:

    “O senhor Hollande mente. Eu declaro isso abertamente. Ele mente aos franceses forçando-lhes a pensar que a operação será fácil para eles.”

    A política tem dúvidas de que o povo da França poderia “conceder mais um empréstimo”, tendo em conta, que, segundo Le Pen, nunca receberão o reembolso.

    A dívida externa da França já superou 2 trilhões de euros, exigindo "sacrifícios" de jovens e idosos. O novo plano da UE exigirá 16 milhões de euros da França, ou 20% dos já estabelecidos 80 milhões que a UE emprestará à Grécia.

    "Os adicionais 16 bilhões de euros de dívida cairão sobre os ombros dos contribuintes franceses e serão jogados no fogo do pagamento da dívida", disse Marine Le Pen, condenando a decisão, que "não vai mudar nada."

    Segundo ela, o novo plano resultará em uma "catástrofe".

    Letônia

    Os especialistas da Letônia também opinam que o país não quer resolver problemas de outros países à sua conta.

    O correspondente da emissora Sputnik em Riga Vitaly Fotin opinou:

    “O montante exigido de 240 milhões é muito sério para a economia da Letônia. Uma parte do montante deve ser paga e outra – garantida. Desta maneira, o dinheiro não chegará ao orçamento da Letônia, mas aumentará a dívida interna.”

    O conselheiro do Banco da Letônia Andris Strazds declarou que no momento não se discute a solidariedade com a Grécia, mas sim, a perda de credibilidade ao país.

    “Corremos o risco de perder o dinheiro dos contribuintes letões.”

    Finlândia

    A Finlândia também expressou duras críticas ao novo plano, sublinhando que o país também vive uma crise financeira. Segundo o novo programa do governo, até 2021 as despesas orçamentárias serão reduzidas em 6 milhões de euros, inclusive por meio de congelamento dos pagamentos sociais a estudantes e desempregados.

    De acordo com o jornal alemão Focus, a Finlândia ocupa o quinto lugar entre os países que são forçados a pagar à Grécia montantes maiores no âmbito do terceiro pacote da ajuda financeira. Quem pagará mais será o Luxemburgo, onde cada cidadão deve pagar 1.260 euros. Para comparar, cada cidadão da Finlândia é forçado para pagar 925,9 euros.

    Os leitores da revista finlandesa Turun Sanomat comentam a situação de maneira irónica:

    “Nós, finlandeses, devemos agir da mesma maneira que os outros: não pagar impostos e realizar manifestações.”

    Suécia

    Embora o país não seja parte da zona do euro, a Suécia teme que possa ser obrigada a pagar a dívida grega. Após o premiê do país, Stefan Lofven, ter sido convidado a participar na reunião de domingo para discutir a situação econômica da Grécia, um dos bloggers escreveu:

    “Parece que a UE pode tentar exigir contribuições mesmo àqueles que não fazem parte da parceria econômica da Europa. Logo eles provavelmente vão alegar que a Suécia teve uma série de benefícios com a sua adesão à UE e, portanto, deve transferir bilhões para ajudar aqueles que usam o euro. Pois, com um premiê como Stefan Lofven é claro o que acontecerá, acabaremos por pagar.”

    Mais:

    Mídia alemã acusa Merkel de hipocrisia em relação à Grécia
    Tags:
    Zona do Euro, dívida, Jean-Marie Le Pen, Donald Tusk, Alexis Tsipras, François Hollande, Angela Merkel, União Europeia, Grécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik