08:13 21 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Gerhard Schroeder aguarda o pouso do helicóptero com Vladimir Putin a bordo. Foto de arquivo

    EUA continuaram espionando ex-chanceler da Alemanha por este se aproximar de Putin

    © AP Photo/ Dmitry Lovetsky
    Mundo
    URL curta
    11045212

    Espionagem aumentou na época da participação de Schroeder das negociações sobre Nord Stream.

    A Agência Nacional de Segurança (NSA) dos EUA continuou espionando o ex-chanceler alemão Gerhard Schroeder mesmo depois da sua demissão em 2005.

    Segundo o tabloide alemão Bild am Sonntag (BamS), o monitoramento do celular de Schroeder cresceu notavelmente a partir de 2005.

    De acordo com os dados citados pela mídia alemã, o chanceler foi incluído na lista de alvos de espionagem em 2002, supostamente por ter se manifestado contra a invasão norte-americana no Iraque.

    O ex-chanceler é considerado um amigo da Rússia, mantendo uma relação estreita com o presidente Vladimir Putin e apoiando as negociações sobre o projeto de gasoduto Nord Stream em 2006.

    Segundo o BamS, um dos objetivos do grampo do celular de Gerhard Schroeder foi obter acesso ao "mundo fechado em torno de Putin".

    O Nord Stream foi lançado em 2012 e é considerado por especialistas como um gasoduto importante para a Europa.

    Mais:

    WikiLeaks: espionagem total da NSA na Europa
    Parlamento Europeu suspeita de espionagem da França
    WikiLeaks revela novos dados sobre espionagem dos EUA na França
    Estados Unidos não pedirão desculpas ao Brasil por espionagem durante visita de Dilma
    Tags:
    espionagem, Agência Nacional de Segurança (NSA), Gerhard Schroeder, Rússia, EUA, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik