06:02 23 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Cidade russa de Ufá está recebendo a sétima cúpula do BRICS

    Brasil aposta no sucesso da cooperação entre os países do BRICS

    BRICS/SCO Photohost
    Mundo
    URL curta
    BRICS: organização do futuro (189)
    0 659161

    O Governo brasileiro acredita que a 7.ª Cúpula do BRICS, que começou nesta quarta-feira, 8, em Ufá, na Rússia, num momento de crise econômica internacional, vai ser um importante instrumento para buscar meios que aumentem o comércio e os investimentos entre os países do bloco.

    A Presidenta Dilma Rousseff, que chegou hoje à Rússia, participa nesta noite de um jantar dos presidentes, e na quinta-feira (9), de reuniões de trabalho da Cúpula.

    Para o Ministério das Relações Exteriores, o encontro na Rússia vai permitir o aprofundamento das relações entre os BRICS, principalmente nas discussões sobre a implantação do Novo Banco de Desenvolvimento, que vai promover projetos de infraestrutura e de desenvolvimento sustentável em países-membros do bloco, de forma a complementar as ações de outras instituições financeiras internacionais. O Novo Banco vai ter um capital inicial de US$ 50 bilhões, sendo US$ 10 bilhões em recursos e US$ 40 bilhões em garantias.

    Outro assunto que estará em pauta nas reuniões durante o evento é o Arranjo Contingente de Reservas, fundo criado em julho de 2014, em Fortaleza, durante a 6.ª Cúpula. O Arranjo garante uma verba de US$ 100 bilhões para que os países do grupo recorram em momentos de crise. Desse total, uma parte de US$ 41 bilhões vem da China. Já Brasil, Índia e Rússia colocam parcelas de US$ 18 bilhões, cada. E a África do Sul entra com US$ 5 bilhões.

    Segundo o subsecretário-geral de Política II do Ministério das Relações Exteriores, Embaixador José Alfredo Graça Lima, a ideia da Cúpula é agilizar os últimos detalhes para garantir o quanto antes o funcionamento do Banco e do Fundo de Reserva. “Questões organizacionais já estão sendo tratadas”, informa o diplomata, em Ufá. “Nós vamos ter aqui na Rússia mesmo algumas providências de ordem prática para que as instituições se tornem plenamente operacionais dentro de curto prazo.”

    O Embaixador Graça Lima explicou que nesta Cúpula os países BRICS vão ter a oportunidade de definir rumos e formas de atuação dessas instituições financeiras. Ele acredita que o Banco de Desenvolvimento aprove os primeiros projetos já a partir de 2016.

    Ao final da 7.ª Cúpula do BRICS será divulgado um plano de ação para aumentar a cooperação entre os cinco países do bloco em áreas como comércio, agricultura, investimentos, ciência, tecnologia e inovação, educação e energia.

    De acordo com o Embaixador José Alfredo Graça Lima, a ideia é ampliar cada vez mais a cooperação entre os países. “Como em todas as Cúpulas anteriores, o sentido desta é promover o diálogo, um constante diálogo que vai se aprofundando entre os chefes de Estado dos países-membros do BRICS, procurando avançar na cooperação, na coordenação, especificamente na área financeira e também nos grandes temas da governança internacional.”

    Dados do Ministério das Relações Exteriores informam que atualmente os países do BRICS representam 22% do PIB mundial, e em 2014 foram responsáveis por mais de 40% do crescimento da economia mundial.

    Entre 2005 e 2014, o volume de comércio entre os países do BRICS deu um salto de US$ 72 bilhões para US$ 297 bilhões de dólares, um incremento de 311%, muito acima, portanto, do crescimento do comércio mundial, de 80% no mesmo período. Além disso, os países do BRICS dobraram a sua participação no comércio internacional desde 2001, representando, hoje, 18% do comércio global.

    Tema:
    BRICS: organização do futuro (189)

    Mais:

    Banco dos BRICS poderá começar a emitir créditos já a partir de abril de 2016
    Banco dos BRICS agregará novas fontes de investimento para o Brasil
    Conselho de Negócios: comunidade empresarial quer ter acesso ao Banco BRICS
    Tags:
    sétima cúpula do BRICS, Novo Banco de Desenvolvimento, BRICS, José Alfredo Graça Lima, Dilma Rousseff, Ufa, África do Sul, Índia, China, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik