01:45 19 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Chanceler da Alemanha Angela Merkel

    Dilemas de Merkel: popularidade em casa ou solidariedade na Europa?

    © AP Photo/ Markus Schreiber
    Mundo
    URL curta
    286327

    Depois da categórica mensagem enviada pela população grega aos seus credores internacionais no último domingo (5), a chanceler alemã, Angela Merkel, no comando da maior potência econômica da União Europeia, se vê agora diante de um dilema estratégico.

    Ou ela chega a um acordo com o Governo grego para estender a ajuda financeira ao país em crise – decisão que seria extremamente impopular entre seus eleitores alemães –, ou arrisca a sobrevivência do próprio projeto europeu, aceitando a saída da Grécia da zona do Euro.

    De acordo com uma pesquisa de opinião pública publicada na terça-feira (7) pelo diário Bild, a popularidade da chanceler alemã e de seu ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble, atingiu níveis maiores entre o eleitorado alemão quando Berlim endureceu a fala com Atenas.

    Encomendada pelo Bild, a pesquisa realizada pelo instituto Insa revela que, juntos, os partidos da coalizão governamental alemã União Democrata-Cristã (CDU) e União Social-Cristã na Baviera (CSU) alcançaram 43% de aprovação popular, o que indica um aumento de 3,5 pontos percentuais em relação à taxa de popularidade registrada na semana passada. Segundo o diretor do Insa, Hermann Binkert, “os alemães confiam na União [CDU/SDU]”.

    “Acima de tudo, eles apoiam Schäuble e apostam em sua firmeza”, acrescentou Binkert.

    A pesquisa envolveu 2.189 eleitores na Alemanha, entre os dias 3 e 6 de julho.

    Também na terça-feira, após uma reunião extraordinária do Conselho Europeu em Bruxelas, Merkel disse que ainda não existiam condições para iniciar negociações sobre um terceiro pacote de ajuda à Grécia, e que esperava “propostas detalhadas” do Governo grego até a quinta-feira (9).

    Já nesta quarta-feira (8), o pedido foi parcialmente atendido pelo premiê grego Alexis Tsipras – que, nas palavras do líder revolucionário cubano Fidel Castro, conseguiu uma “brilhante vitória política” com a vitória do “não” à austeridade e aos interesses financeiros internacionais no referendo do dia 5.

    Em carta enviada ao Eurogrupo, o novo ministro das Finanças de Tsipras, Euclidis Tsakalotos, solicitou um novo pacote de ajuda financeira de 50 bilhões de euros ao dispositivo de resgate de crédito da União Europeia – o chamado Mecanismo Europeu de Estabilidade (Mede). O empréstimo se refere a um período de três anos e seria destinado exclusivamente para pagar a dívida da Grécia e “garantir a estabilidade do sistema financeiro”.

    A proposta inclui medidas de reformas no sistema fiscal, bem como no sistema de pensões, e promete cumprir o prazo de quinta-feira para apresentar maiores detalhes da agenda.  

    Discursando hoje no Parlamento europeu, Tsipras pediu a “solidariedade da Europa” e negou a existência de planos “secretos” para tirar o país da zona do Euro.

    “No referendo, o povo grego reforçou o mandato para que se encontre uma solução justa. Não foi um mandato para a ruptura com a União Europeia. Ela [a UE] tem que ser democrática, ou enfrentará dificuldades”, ponderou o primeiro-ministro.

    Agora, resta esperar para ver se a “solidariedade” ainda pesa nos princípios democráticos do bloco europeu. A capa do Bild de ontem proclamava: “Chega de bilhões para a Grécia – precisamos de nossa chanceler de ferro”. A julgar pelo tom, se depender da opinião pública alemã, pesará mais o princípio da austeridade.

    Mais:

    Grécia confirma a intenção de permancer na zona do euro
    Comissão Europeia já teria elaborado plano para saída da Grécia da zona do euro
    Ex-Ministro Ernane Galvêas: “Estão tratando a Grécia com muita severidade”
    Moscou recebe sinais de que Grécia quer juntar-se ao Banco BRICS
    Tags:
    austeridade, Grexit, pacote, ajuda financeira, resgate, dívida, referendo, Syriza, FMI, Banco Central Europeu, Eurogrupo, Comissão Europeia, Angela Merkel, Alexis Tsipras, zona do euro, Europa, União Europeia, Grécia, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik