13:31 11 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Moedas com bandeira da Grécia ao fundo

    China e BRICS prontos para ajudar a Grécia

    © AFP 2019 / PHILIPPE HUGUEN
    Mundo
    URL curta
    BRICS: organização do futuro (189)
    6462
    Nos siga no

    O mercado de valores asiático continua em queda após o referendo na Grécia. Porém, vários analistas estimam que não haverá crise.

    Na segunda-feira, o vice-chanceler da China, Cheng Goping, declarou que a China está conduzindo negociações com a Grécia e a UE sobre a crise da dívida grega. Isso é já uma mudança significativa: geralmente, é um representante oficial do ministério quem transmite as declarações aos jornalistas.

    Depois do referendo, onde mais de 60% dos gregos (conforme os últimos dados apurados) votaram contra as medidas de austeridade financeira propostas pela União Europeia, a Europa vive dias de tensão. O fato de a Grécia tenha recusado as condições da Europa significa que ela poderá sair da Europa Unida. E este é o temor de muitos europeus.

    O referendo na Grécia ocorreu dois dias antes da cúpula dos BRICS em Ufá. Á China é a maior economia do grupo e sede da infraestrutura econômica e financeira alternativa ao Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional (FMI). A Europa é um mercado importante para esse país, e para os BRICS em geral, de modo que estes não estão interessados numa crise na Europa.

    Por isso, é bem posível esperar uma reação por parte desta associação de países.

    A China especialmente, neste contexto, pode utilizar a Grécia como plataforma de investimento internacional prestando-lhe ajuda prática, acredita o economista Aleksandr Salitsky:

    "Eu posso supor que programas que se têm iniciado muito ativamente nas relações sino-gregas, relacionados com o turismo, terão continuação, sim. Pode haver também a transferência de unidades de produção industrial da China para a Grécia. Os chineses poderão contribuir para realizar o desejo da Grécia de se tornar um dos pontos importantes de trânsito de hidrocarbonetos da Rússia para a Europa".

    No entanto, o primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, manteve hoje uma conversa telefônica com o presidente da Rússia, Vladimir Putin. Segundo o site oficial do Kremlin, as relações com a Europa e "vários assuntos do desenvolvimento futuro da cooperação russo-grega" foram os temas discutidos.

    Depois, Tsipras ligou para Angela Merkel e disse que a Grécia está pronta para apresentar suas propostas em uma reunião extraordinária dos presidentes da Zona do Euro, dedicada ao referendo grego.

    Em 2011, a Alemanha estudava estabelecer, no seio do FMI, um fundo adicional de ajuda aos Estados devedores. Este fundo auxiliar seria nutrido pelos BRICS. Porém, naquele momento a iniciativa fracassou. Na semana passada, o WikiLeaks revelou que a Agência Nacional de Segurança (NSA) dos EUA espionou os responsáveis por esse projeto.

    Tema:
    BRICS: organização do futuro (189)

    Mais:

    EUA precisam colaborar com os BRICS, diz ativista
    BRICS treinam com AIIB antes de lançar seu próprio banco
    Chancelaria russa: EUA e UE tentam conter atividade dos BRICS
    Tags:
    espionagem, Agência Nacional de Segurança (NSA), BRICS, Grécia, China, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar