20:37 26 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 11
    Nos siga no

    Alguns dos principais resorts turísticos da Espanha e da França foram colocados em estado de alerta máximo para atentados terroristas, na sequência dos tiroteios na Tunísia e da decapitação no leste da França. A maior associação de viagens da Europa disse à Sputnik que a ameaça aos turistas é real.

    O aumento do risco de ameaça terrorista – causado pela desestabilização do Oriente Médio, a ascensão do Estado Islâmico e as consequências da Primavera Árabe em todo o norte da África – levou agências de inteligência a lançarem advertências específicas para destinos turísticos.

    Os alvos mais tradicionais, como sistemas de transporte e aeroportos, bem como edifícios de alto perfil corporativo ou governamental, já estão fortemente protegidos pelos serviços de segurança, com vigilância máxima. Por isso, fontes de dentro dos serviços de inteligência na Europa dizem agora que os terroristas estão alvejando pontos menos vigiados, incluindo resorts turísticos.

    Na sequência dos tiroteios na Tunísia, em que um atirador matou 38 turistas deitados ao sol, milhares de pessoas resolveram sair do país e cancelar suas férias, colocando em perigo a mais importante fonte de receitas da nação. 

    Na França, devido às atuais ameaças contra o país feitas por grupos terroristas islâmicos, bem como à recente intervenção militar francesa contra o Estado Islâmico, o governo francês pediu atenção especial à população e reforçou suas medidas de segurança. 

    Já o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido afirma que a ameaça terrorista é classificada como "elevada" em mais de 30 países ao redor do mundo, com destinos populares como a Espanha e a França recebendo a mesma classificação da Líbia, do Paquistão e da Somália. Turquia, Egito, Tailândia, Austrália e Bélgica também são classificados na lista de alto risco.

    Quanto ao Brasil, o governo britânico afirma haver uma “ameaça subjacente de terrorismo” e diz que os “ataques, embora improváveis, poderiam ser indiscriminados, inclusive em lugares frequentados por estrangeiros”.

    Esta semana, o governo espanhol também levantou sua própria classificação de ameaça terrorista a um nível mais alto, depois do ataque na vizinha França. 

    E nesta quarta-feira (1º), o governo australiano emitiu a sua própria advertência. 

    "Há uma ameaça permanente de terrorismo na Europa. No passado, ataques terroristas ocorreram em várias cidades europeias, como Glasgow, Londres, Madrid, Moscou e Paris. Os alvos incluíram transportes públicos e centros de transportes, e locais públicos frequentados por estrangeiros. Além disso, uma série de ataques planejados foi interrompida pelos serviços de segurança europeus nos últimos anos, ressaltando o contínuo interesse dos terroristas em atacar locais da Europa", sinaliza o comunicado australiano.

    Entre os destinos classificados com baixo risco de ameaça terrorista, destacam-se: Islândia, Bolívia, Equador, Polônia, República Tcheca, Suíça, Hungria, Vietnã e Japão.

    Um porta-voz da maior associação de viagens da Europa, a ABTA disse à Sputnik:

    "É claro que estamos vivendo com a ameaça do terrorismo e, como uma indústria, é uma situação que temos de gerir".

    "Nós vimos a indústria responder rapidamente, de forma decisiva e com compaixão no fim de semana, em circunstâncias muito difíceis. A segurança dos clientes é e continuará a ser a maior prioridade para a ABTA e nós vamos continuar a nos coordenar estreitamente para minimizar o risco potencial", disse o porta-voz.

    Mais:

    Turismo brasileiro movimenta quase 10% do PIB nacional
    Coalizões antiterroristas não combatem o terrorismo
    Dilma discutiu clima, terrorismo e comércio em jantar com Obama, diz ministro
    As relações entre terrorismo e patrimônio mundial
    Tags:
    pontos turísticos, terrorismo, ataques terroristas, ameaça terrorista, turismo, Europa, Tunísia, Espanha, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar