00:34 23 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira da Grécia ao lado da deusa Atena

    Vencedores do Prêmio Nobel de Economia criticam condições dos credores para a Grécia

    © REUTERS / Alkis Konstantinidis
    Mundo
    URL curta
    0 70

    Dois ganhadores do Prêmio Nobel de Economia afirmaram que votariam "não" no referendo popular na Grécia sobre a aprovação ou não do programa de medidas impostas pelos credores internacionais para a liberação de uma ajuda financeira de € 7 bilhões ao país.

    Paul Krugman, Nobel de 2008, e Joseph Stiglitz, Nobel de 2001, assinaram na segunda-feira (29) artigos, respectivamente, nos jornais britânico The Guardian e no norte-americano The New York Times defendendo o “não” no plebiscito que acontecerá no domingo, 5 de julho. Eles defenderam que a Grécia tem mais a perder do que a ganhar com um acordo.

    Krugman afirma que o governo grego deve estar preparado, se necessário, para sair da Zona do Euro. O economista afirmou que o colapso na economia do país está muito ligada à moeda europeia, “que amarrou a Grécia num colete-de-forças econômico”. Ele ainda acrescentou que “ceder a um ultimato da troika representaria o abandono final de qualquer pretensão de independência”.

    Já Stiglitz afirmou em seu artigo no The Guardian que “nenhuma alternativa, aprovação ou rejeição dos termos da troika, vai ser fácil e ambas implicam riscos”. No entanto, destacou que a vitória do “sim” representa “uma depressão quase sem fim”. Ele argumenta que “o ‘não’ pelo menos abriria a possibilidade da Grécia decidir seu próprio futuro”.

    Posições semelhantes adotou Joseph Stiglitz em uma entrevista exclusiva à BBC publicada nesta terça-feira (30). O economista culpou os credores internacionais pela situação na Grécia e disse que as condições impostas ao governo grego são “revoltantes” e um “ataque à democracia”. Ele afirmou que a “austeridade fracassou”.

    O Prêmio Nobel em 2001 lembrou a situação da Argentina, dizendo que o país da América do Sul depois do calote começou a crescer 8% ao ano. O êxito argentino, segundo Stiglitz, “prova que há vida depois de uma reestruturação econômica”.

    Tags:
    condições, artigos, credores internacionais, pacote, plebiscito, programa de reformas, referendo, crítica, The New York Times, The Guardian, BBC, Joseph Stiglitz, Paul Krugman, América do Sul, Atenas, Grécia, Europa, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik