07:20 15 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    3212
    Nos siga no

    O jornal Libération e o portal da internet Mediapart publicaram nesta segunda-feira, juntamente com a WikiLeaks, novos dados sobre a espionagem de uma série de altos representantes políticos e empresariais da França pela Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) dos EUA.

    "Em colaboração com a Wikileaks, Libération e Mediapart revelam como a NSA se intrometeu nos interesses comerciais da França" – diz o material publicado no site do jornal francês sob o título "Espionagem econômica: o sujo jogo norte-americano".

    A publicação comprova com base nos dados da WikiLeaks que os serviços secretos norte-americanos promoviam uma ampla espionagem contra empresas francesas e a cúpula do Ministério da Economia da França, além de monitorar grandes transações e contratos de Paris com organizações internacionais.

    O trabalho da NSA era voltado para a coleta de quaisquer informações relativas às relações comerciais francesas, ligações de Paris com instituições financeiras internacionais, G8 e G20, além de grandes contratos de empresas francesas com parceiros internacionais, em particular, cujo valor ultrapassava 200 milhões de dólares.

    "O alvo da NSA incluía uma boa parte de setores estratégicos: tecnologias da informação, eletricidade, gás, petróleo, energia nuclear, transporte, biotecnologias e outros" – diz a publicação.

    Os autores do artigo destacam que os interesses da espionagem podiam incluir centenas de empresas francesas, e que grande parte da informações coletada pela NSA era repassada às autoridades dos EUA.

    "Nunca antes as provas da ampla espionagem econômica da França, organizada pela própria cúpula do governo norte-americano, foram expostas de forma tão óbvia" – afirma o Libération.

    Segundo a publicação, o trabalho da NSA pode ter chegado à espionagem industrial e ao roubo de tecnologias secretas. Seu principal interesse recaía, no entanto, sobre a participação de empresas norte-americanas em licitações francesas, que podiam obter grandes vantagens com as informações obtidas. O artigo destaca ainda que parte dessas informações eram compartilhadas com os aliados dos EUA: Grã-Bretanha, Canadá, Nova Zelândia e Austrália.

    "Sob o pretexto da luta contra o terrorismo a NSA transformou-se em uma ferramenta dos EUA na guerra econômica. Uma guerra em que a França foi totalmente derrotada" – diz a publicação.

    O site WikiLeaks publicou recentemente documentos comprovando que a Agência Nacional de Segurança (NSA) dos EUA interceptou conversas de uma série de altos representantes da França, inclusive o atual presidente Hollande, assim como seus antecessores Nicolas Sarkozy e Jacques Chirac.

    Os dados em poder da imprensa francesa indicam que a espionagem dos presidentes franceses aconteceu de 2006 até maio de 2012. Além disso, os documentos mostravam conversas entre uma série de ministros, altos funcionários e diplomatas, incluindo o embaixador da França nos Estados Unidos.

    Mais:

    Estados Unidos não pedirão desculpas ao Brasil por espionagem durante visita de Dilma
    WikiLeaks revela detalhes do plano de intervenção militar da UE no Mediterrâneo
    WikiLeaks: EUA pressionam Hollywood a fazer propaganda anti-Rússia
    Tags:
    roubo, monitoramento, serviço secreto, espionagem, Mediapart, Liberation, EUA, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar