22:32 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Papa Francisco visita um templo Valdense em Turim.

    Papa Francisco condena indústria bélica e pede perdão à Igreja Valdense

    © REUTERS/ Osservatore Romano
    Mundo
    URL curta
    0 49890

    O Papa Francisco falou duramente contra a indústria bélica no domingo (21), durante sua visita a Turim, na Itália. Ele afirmou que as pessoas que fabricam ou fazem investimentos em empresas de armas não podem se dizer cristãos.

    “Isso me faz pensar em pessoas, gestores e empresários que se dizem cristãos e fabricam armas. Isso leva a um tanto de desconfiança, não é? A duplicidade é moeda corrente atualmente. Eles dizem uma coisa e fazem outra”, discursou de improviso a milhares de jovens o líder da Igreja Católica, após dispensar o texto que havia elaborado previamente.

    Embora sem usar o termo genocídio, Papa Francisco não fugiu de comentar o que chamou de “grande tragédia da Armênia”. Em abril, ele havia dito que o massacre de 1,5 milhão de armênios foi “o primeiro genocídio do século XX”. A afirmação levou a Turquia a chamar de volta seu embaixador no Vaticano.

    Já nesta segunda-feira (22), seu último dia de viagem a Turim, o Pontífice foi ao templo Valdense e, recebido por três pastores, pediu perdão àquela comunidade. “Por parte da Igreja Católica, eu lhes peço perdão pelas atitudes e os comportamentos não cristãos, até mesmo não humanos que, na história, tivemos contra vocês. Em nome do Senhor Jesus Cristo, perdoem-nos!”

    A Igreja Valdense foi formada a partir de seguidores do francês Pedro Valdo, que, por volta de 1174, encomendou a tradução da Bíblia para uma linguagem popular iniciando um movimento que negava o papado de Roma. Eles foram perseguidos pela Igreja Católica e pela Reforma Protestante, à qual se juntaram posteriormente.

    Tags:
    pedido de perdão, indústria bélica, viagem, armas, visita, Bíblia, Reforma Protestante, igreja Valdense, Igreja Católica, Jesus Cristo, Pedro Valdo, Papa Francisco, Armênia, Roma, Turim, Turquia, Itália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik