14:37 22 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 21
    Nos siga no

    O plano específico sobre o cessar-fogo no Iêmen ainda não existe e exige novas consultas, mas as partes envolvidas nas negociações estão perto de concluir um acordo, disse na entrevista à Sputnik o enviado especial da ONU, Ismail Ould Sheikh Ahmed.

    "Já colocamos algumas ideias no papel, nenhuma delas foi ainda decidida, porque requer consultas adicionais. Mas o que eu aprendi a partir do debate é que estamos perto. Eu tenho a impressão de que a questão que pode nos ter impedido de concluir esta discussão [sobre o cessar-fogo] está ligado ao uso de certas palavras ou compreensão (pelas partes) dos momentos individuais", disse o enviado.

    Ele enfatizou que as palavras certas são importantes, especialmente nas situações quando as pessoas estão morrendo.

    "Ainda não está tudo combinado mas a base para o acordo já existe. Acredito que seremos capazes de concluí-lo nas próximas semanas", disse.

    Ele explicou as partes das negociações consideram o Ramadão como período para chegar a um compromisso: "É realmente importante dar uma chance para aliviar o sofrimento das pessoas infelizes do Iêmen <…> Elas devem ter oportunidade de rezar, ter o acesso a água e alimentos, etc.".

    Mapa do Iêmen em uma sala destinada às negociações na sede da ONU em Genebra, em 15 de junho
    © AFP 2021 / FABRICE COFFRINI
    A ONU realiza desde terça-feira passada uma rodada de consultas de paz entre o governo iemenita no exílio e os rebeldes xiitas houthis que, desde a ofensiva em setembro de 2014, controlam grande parte do país, incluindo a capital, Sanaa.

    Nesta sexta-feira (19) Ismail Ould Sheikh Ahmed declarou que as consultas de paz sobre o conflito no Iêmen terminaram sem alcançar o fim do conflito.

    Atualmente, a Arábia Saudita, junto com o Bahrein, Catar, Kuwait, Emirados Árabes Unidos, Egito, Jordânia, Marrocos, Paquistão e Sudão, está realizando a operação "Restaurando a Esperança" contra os rebeldes houthis. Este é, desde 21 de abril, o nome oficial da intervenção militar no Iêmen, que começou em finais de março. Segundo a ONU, o conflito já provocou a morte de 2.600 pessoas.

    Tags:
    negociações, cessar-fogo, ONU, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar