18:35 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Soldados dos países membros da OTAN em cerimônia de abertura dos exercícios militares Saber Strike 2015

    Pentágono contrata grupo anti-Rússia para desenvolver política mais agressiva

    © AP Photo/
    Mundo
    URL curta
    12518244

    Enquanto os Estados Unidos deslocam mais armamentos pesados para o leste europeu, um grupo que advogam em nome de uma política mais agressiva na região foi contratado pelo Pentágono para desenvolver alianças militares.

    No dia 5 de junho, o Escritório de Avaliação das forças armadas deu ao Centro de Análise Política Europeia (CEPA, na sigla em inglês) a missão de conduzir um estudo chamado Formando Aliados: Alianças e Mudanças Geoestratégicas. A informação é de arquivos do Pentágono obtidos pelo USA Today.

    O anúncio do contrato afirmava que a CEPA iria conduzir "um estudo sobre a mudança de dinâmicas nas redes de aliança dos Estados Unidos no leste asiático, no oriente médio e no leste europeu."

    Estudos anteriores da CEPA pediram o fim da política de "paciência estratégica" para deslocar defesas até pontos mais próximos às fronteiras com a Rússia em nome de países como Polônia, Lituânia, Estônia e Letônia — todos membros da OTAN.

    O presidente da CEPA, A. Wess Mitchell, escreveu esta ano, em um artigo sobre a Rússia:

    "Enquanto o Ocidente pós-Guerra Fria pode ter esperado que a Rússia eventualmente se tornasse uma versão maior da Polônia, com instituições liberais e uma política externa desmilitarizada, o que aconteceu foi uma versão moderna de Cartago — uma força punitiva determinada a aplicar uma política externa vingativa para derrubar o sistema que ela considera culpado pela perda de sua antiga grandeza."

    A ligação do Pentágono com analistas que promovem uma política militar mais agressiva por parte dos EUA acontece enquanto se discute o plano de manter armas na Europa Central para até 5 mil soldados.

    Até o início de 2016, haverá equipamentos suficientes pré-posicionados — como armas, tanques, e veículos de infantaria — para uma brigada militar americana, afirmou o USA Today.

    "É uma mudança bastante significativa de política. Dá um nível razoável de garantia a aliados reticentes, embora nada seja o mesmo que colocar soldados em solo em tempo integral", afirmou James G. Stavridis, ex-comandante supremo da OTAN.

    Nesta segunda-feira, o secretário de imprensa da Casa Branca, Josh Earnest, afirmou que a política em desenvolvimento ainda está em seu estágio inicial. Segundo Earnest, os EUA e seus aliados da OTAN discutiram a necessidade de envio mais rápido de soldados durante uma cúpula no País de Gales no ano passado.

    Mais:

    Rússia começa produção dos sistemas antimísseis President-S
    Representantes permanentes dos países da UE aprovam prorrogação das sanções contra Rússia
    Kremlin: Rússia está preocupada com tentativas da OTAN de mudar correlação de forças
    Rússia responderá à presença de caças americanos na Europa, diz analista
    Tags:
    política externa, OTAN, Pentágono, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik