20:32 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Members of the Ukrainian parliament attend a session dedicated to a vote on the creation of a new National Guard force, in Kiev, on March 13, 2014

    Kiev pode proibir comércio com Donbass e Crimeia

    © AFP 2018 / YURY KIRNICHNY
    Mundo
    URL curta
    Ucrânia: campo de batalha (286)
    0 312

    Kiev pode banir comércio com as autoproclamadas repúblicas de Donetsk e Lugansk, assim como com a península russa da Crimeia. Um projeto de lei já foi enviado ao parlamento ucraniano.

    Um projeto de lei pedindo a proibição do comércio com o que Kiev chama de "territórios ocupados" no sudeste do país e península da Crimeia, foi enviado ao parlamento ucraniano.

    O texto chamado "sobre a proibição do comércio com os territórios ocupados provisoriamente" foi apresentado por Yuri Levchenko, integrante da Suprema Rada ucraniana.


    O projeto surge depois de Yuri Lutsenko, líder do partido de Pyotr Poroshenko, pedir que "parem de fazer negócio com os ocupantes" e paguem benefícios sociais às pessoas na zona de conflito.

    As regiões de Donetsk e Lugansk, no sudeste da Ucrânia, foram atingidas por uma crise humanitária no ano passado, após uma operação militar liderada por Kiev iniciar um conflito que já deixou mais de 6.400 pessoas mortas, segundo a ONU.

    A crise humanitária cresceu em novembro de 2014, quando o presidente ucraniano, Pyotr Poroshenko, assinou um decreto impondo um bloqueio econômico às autoproclamadas repúblicas de Donbass e retirando da região todas organizações estatais de educação, saúde e proteção social.

    Tema:
    Ucrânia: campo de batalha (286)

    Mais:

    Poroshenko cancela vários acordos militares com a Rússia
    Poroshenko ratifica regime legal da lei marcial na Ucrânia
    Bloco Poroshenko compara Donbass a “tumor canceroso”
    Poroshenko assina moratória sobre pagamento da dívida externa
    Tags:
    lei, legislação, economia, comércio, Yuri Lutsenko, Pyotr Poroshenko, Lugansk, Donetsk, Donbass, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik