08:55 25 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Soldados do batalhão Azov que, segundo relatos da mídia, pode ser financiado por Igor Kolomoisky

    Congresso dos EUA proíbe apoio ao batalhão ultranacionalista ucraniano Azov

    © Sputnik / Aleksandr Maksimenko
    Mundo
    URL curta
    0 141

    O Congresso norte-americano aprovou uma emenda apresentada pelo congressista John Conyers proibindo os EUA de treinar guerrilheiros do grupo ultranacionalista ucraniano Azov. A informação foi publicada no site oficial de Conyers.

    Destacou-se que na mesma sessão foi igualmente aprovada uma resolução proibindo os EUA de fornecer sistemas portáteis de defesa aérea ao Iraque e à Ucrânia.

    "Sou grato à câmara dos representantes pela aprovação unânime de minhas emendas, confirmando que as nossas forças armadas não irão treinar o odioso batalhão neonazista Azov. Agradeço igualmente pelo apoio às minhas tentativas de não permitir que os leves e perigosos sistemas portáteis de defesa aérea cheguem à regiões instáveis" – diz o comunicado.

    A notícia foi saudada pelo ministério das Relações Exteriores da Rússia, que destacou o fato de o Congresso norte-americano ter precisado de mais de uma ano para perceber que o grupamento Azov representa "uma junta de verdadeiros nazistas".

    "Antes tarde do que nunca" – disse Aleksander Lukashevich, representante oficial da chancelaria russa.

    Nas palavras do diplomata, o próximo passo lógico seria o de reconhecer finalmente que o golpe de Estado ocorrido em Kiev no ano passado, e ativamente apoiado por Washington, foi promovido pelos mesmos jovens nazistas.

    "É óbvio que outros grupamentos da Guarda Nacional da Ucrânia não são nem pouco melhores que Azov. Os crimes sangrentos de nacionalistas ucranianos, que queimaram habitantes de Odessa vivos e que continuam a matar mulheres e crianças em Donbass, falam por si sós há tempos. Resta apenas saber quando Washington vai querer notá-los" – frisou Lukashevich.

    Diversas agências de notícias internacionais tem frisado a participação de muitos nacionalistas e nazistas nas unidades voluntárias da Guarda Nacional ucraniana, incluindo o regimento Azov.

    Em abril quase 300 militares americanos chegaram à Ucrânia para participar de treinamentos militares conjuntos ucraniano-americanos Fearless Guardian 2015 na região de Lvov. Durante seis meses militares americanos irão treinar soldados da Guarda Nacional da Ucrânia e representantes dos centros de treinamento das Forças Armadas ucranianas.

    A chancelaria russa considera a presença dos militares americanos na Ucrânia como uma violação dos Acordos de Minsk e diz que o processo de treinamento dos soldados ucranianos para o uso de equipamentos militares ocidentais pode ser o primeiro passo para o fornecimento de armas americanas modernas à Ucrânia.

    Desde meados de abril de 2013 a Ucrânia começou a realizar uma operação militar para atacar as forças independentistas no leste da Ucrânia. Estas não reconhecem a legitimidade das novas autoridades ucranianas que chegaram ao poder após um golpe de Estado em Kiev. Os Acordos de Minsk, assinados pelo “quarteto da Normandia” (Alemanha, Rússia, França e Ucrânia) em 12 de fevereiro de 2014, prevêem a retirada de tropas e o cessar-fogo completo, mas os representantes de Donetsk e Lugansk têm repetidamente declarado que Kiev viola os acordos.

    Mais:

    Tendência crescente: neonazistas fazem passeata em Odessa
    Canadá destina US$ 5 milhões para as forças de ordem da Ucrânia
    Veículos misteriosos detectados na Hungria irão participar de treinos na Ucrânia
    Tags:
    Batalhão Azov, neonazismo, nazismo, Guarda Nacional, John Conyers, Aleksander Lukashevich, EUA, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik