08:54 25 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Jens Stoltenberg

    OTAN pede desculpas por bombardear Iugoslávia

    © East News / East News/Xinhua/Photoshot
    Mundo
    URL curta
    1440

    O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, disse que lamentava as vítimas mortais durante os ataques aéreos realizados pela organização contra a Iugoslávia, que ele descreveu como a "tragédia", notifica a mídia sérvia.

    Após a reunião na quinta-feira (11) com o premiê de Montenegro, Milo Djukanovic, durante o discurso na cidade de Budva, Stoltenberg expressou profundo pesar às famílias e amigos das vítimas, divulgou a revista sérvia Blic.

    Ele disse que a OTAN fez "todo o possível" para prevenir a morte de vidas inocentes e sublinhou:

    "Infelizmente, no caso concreto, não poderíamos evitar o sofrimento de civis. Lamento muito isso. O objetivo da operação foi claramente o estabelecimento da paz."

    "O objetivo da operação aérea da OTAN também era a proteção de civis – e conseguimos fazer isso", disse Stoltenberg.

    Os ataques aéreos da OTAN contra a República Federal da Iugoslávia, que no momento era integrada pela Sérvia e Montenegro, duraram 78 dias e terminaram em 10 de junho de 1999.

    De acordo com estimativas diferentes, de 1.200 a 2.500 pessoas morreram em resultado dos ataques. Quase 13 mil ficaram feridas, e o dano material é estimado entre US$ 30 bilhões e US$ 100 bilhões.

    Os líderes ocidentais já justificaram várias vezes os ataques aéreos com a necessidade de acabar com as “limpezas étnicas” alegadamente conduzidas pelas forças sérvias em Kosovo.

    E este foi também o primeiro caso em que a OTAN usou a força militar sem a autorização do Conselho da Segurança da ONU e contra uma nação soberana que não representava qualquer ameaça real para qualquer membro da aliança.

    Mais:

    Croácia aprova indenização para vítimas de estupro da guerra da Iugoslávia
    Tags:
    história, bombardeio, ataque aéreo, vítimas, OTAN, Jens Stoltenberg, Iugoslávia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik