01:27 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Usina nuclear em Bushehr, Irã

    Detectado vírus usado para espionar negociações do programa nuclear iraniano

    © AFP 2019 / MEHR NEWS/MAJID ASGARIPOUR
    Mundo
    URL curta
    1241
    Nos siga no

    Especialistas do Laboratório Kaspersky descobriram um vírus que vem sendo usado por seus criadores para monitorar as conversações em torno do programa nuclear iraniano. Em seu recente relatório, a empresa russa de segurança digital apontou para a existência de uma ligação entre a descoberta e Israel.

    Segundo informou The Wall Street Journal, o novo vírus foi encontrado em computadores de três hotéis que sediaram negociações sobre o programa nuclear iraniano.

    O atual escândalo revela a existência de sérias contradições entre as agências de inteligência de Israel e dos EUA.

    Para falar sobre o assunto, a Sputnik entrevistou o assessor do presidente do parlamento do Irã Hossein Sheikholeslam. Nas suas palavras, apesar de parecer estranho, atualmente os EUA e Israel não partilham de uma plena confiança mútua.

    "Não há dúvidas de que o lado americano repassa informações sobre as negociações para Israel. O escândalo envolvendo o lançamento desse vírus, no entanto, deixa claro que Tel Aviv não confia totalmente nas informações de seus parceiros. Portanto, os serviços secretos israelitas são forçados a farejar informações secretas por conta própria, literalmente por debaixo do nariz dos americanos. Mesmo que esse trabalho escrupuloso não traga resultados desejáveis. Mossad [serviço secreto do governo de Israel] não descobriu nada de novo em Viena. Assim como o Irã também não descobriu nada de novo nos meios de espionagem de Israel. Nosso país já se deparou com esse tipo de ameaça anteriormente. Assim, em 2010, a República Islâmica reagiu ao ataque cibernético com o vírus Stuxnet reforçando suas próprias tecnologias. E hoje os nossos sistemas de anti-vírus funcionam bem, sem contratempos. No entanto, a  história com esse novo vírus, insta todos os lados envolvidos nas negociações a manter a vigilância em máxima, para não sucumbir a provocações e continuar o trabalho de forma produtiva. Até que um acordo global seja alcançado".

    Já na opinião do constante colaborador do Sputnik, o redator-chefe do jornal Iran Press Emad Abshenass, a lógica das ações da Inteligência de Israel não é tão óbvia quanto parece.

    "Supunha-se inicialmente que os serviço secretos [israelitas] monitorariam a evolução das conversações do Irã em parceria com o "sexteto". Sendo assim, tanto o Irã, quanto os EUA tomaram uma série de medidas para garantir a segurança e a confidencialidade dos detalhes do processo de negociações" – disse.

    "O paradoxo consiste no fato de que os americanos estavam dispostos a repassar para Israel quaisquer informações de seu interesse. Além disso, para ser franco, dificilmente informações ultra-secretas poderiam surgir na última etapa das negociações" – destacou o especialista.

    "Resumindo, toda essa história deve ser interpretada como uma chantagem por parte de Israel para dificultar a situação num momento decisivo desse processo. Tel-Aviv tenta alertar e mostrar ao mundo todo que está a par de todas as nuances daquilo que está sendo discutido no âmbito das negociações sobre o programa nuclear iraniano. Acredito, no entanto, que as partes envolvidas não serão constrangidas por isso" – concluiu Abshenass.

    Mais:

    Em Israel, Sarkozy faz coro a Netanyahu e critica acordo sobre programa nuclear do Irã
    Oficial: EUA não ousam atacar Irã temendo retaliação
    Chefe da CIA faz visita secreta a Israel antes do acordo nuclear com o Irã
    Tags:
    programa nuclear iraniano, negociações, sexteto, Emad Abshenass, Hossein Sheikholeslam, Irã, Israel, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar