05:58 21 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 231
    Nos siga no

    Armados com informações não comprovadas e uma clara agenda antirrussa, membros do Parlamento Europeu jogam mais lenha na fogueira e podem piorar ainda mais as já instáveis relações entre a Europa e a Rússia.

    Durante uma sessão plenária conduzida em Estrasburgo na quarta-feira (10), os eurodeputados elaboraram uma resolução dura, exortando a União Europeia a reconsiderar suas relações com Moscou no contexto da crise ucraniana, segundo informa o site de notícias do Parlamento Europeu.

    Além da reavaliação dos laços com a Rússia, a resolução insta Bruxelas a combater a “propaganda russa”, a “ajudar a sociedade civil russa” e a criar meios de comunicação “independentes” de língua russa. O projeto foi escrito com base em um relatório do eurodeputado Gabrielius Landsbergis, da Lituânia, que conseguiu passar a resolução com 494 votos a favor e 135 contra, com 69 abstenções. 

    "Com sua agressão contra a Ucrânia e a anexação da Crimeia, a liderança russa colocou as nossas políticas em uma encruzilhada. Cabe ao Kremlin decidir agora que caminho ele vai tomar – cooperação ou aprofundamento da alienação", opinou Landsbergis.

    De acordo com os eurodeputados, a Rússia é diretamente responsável pelo conflito armado ucraniano por supostamente enviar tropas e armas para a zona de conflito. A julgar pelas acusações, dir-se-ia que os deputados europeus estão mais bem informados sobre a situação no leste da Ucrânia do que os EUA ou os especialistas militares da OTAN, que repetidamente falharam em apresentar evidências concretas a respeito da alegada presença de soldados russos em Donbass.

    Apesar das especulações na mídia ocidental, entretanto, mesmo o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, não levantou a questão quando conversou com o chanceler russo Sergei Lavrov em fevereiro.

    "Para levantar esta questão, é preciso ter alguns dados específicos. Durante todo o ano passado, a OTAN não nos apresentou nenhuma informação específica", disse Stoltenberg na ocasião.

    O conflito na Ucrânia pode estar à beira de uma nova escalada verdadeiramente assustadora. Um acordo de paz global entre as grandes potências é necessário para evitar a deterioração do conflito armado, mas os eurodeputados, munidos com informações sem fundamento e com uma agenda claramente antirrussa, podem acabar minando a possibilidade de um futuro diálogo entre Bruxelas e Moscou.

    Mais:

    EUA pretendem ridicularizar Rússia e simulam presença de russos na Ucrânia
    Ambiente anti-Rússia prevalece no Parlamento Europeu, diz legislador grego
    Casa Branca: sanções antirrussas continuarão apesar de consequências à economia da UE
    Tags:
    OTAN, Parlamento Europeu, Jens Stoltenberg, Gabrielius Landsbergis, Crimeia, Donbass, Ucrânia, Rússia, União Europeia, Estrasburgo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar