00:35 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Militantes do Estado Islâmico (EI)

    EUA subestimam consequências de possível colapso da Al-Qaeda

    © AP Photo/ STR
    Mundo
    URL curta
    0 39
    Nos siga no

    Outrora considerada a mais temível organização terrorista do planeta, a Al-Qaeda está sendo ofuscada pela rápida expansão do grupo extremista Estado Islâmico.

    Dois dos mais importantes líderes espirituais da Al-Qaeda revelaram esta semana ao jornal The Guardian que seu grupo deixou de ser uma "organização funcional" por ter sido arruinado pelo EI.

    Em uma longa entrevista à publicação, o pregador jordaniano Abu Qatada e Abu Muhammad al-Maqdisi, considerado o mais influente jihadista erudito vivo, disseram que o líder da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, foi separado de seus comandantes pelo EI, mantendo a existência do grupo por meio de meros apelos à lealdade.

    "Ele [Zawahiri] opera exclusivamente com base na fidelidade. Não existe uma estrutura organizacional. Há apenas canais de comunicação e lealdade", disse Maqdisi.

    Qatada, por sua vez, explicou que os avanços territoriais e a extensa propaganda do Estado Islâmico "isolaram" Zawahiri e enfraqueceram totalmente a Al-Qaeda, drenando seus recursos humanos e financeiros.

    The Guardian destaca que esse tipo de declaração coloca em dúvida a atual posição dos EUA no combate ao terrorismo, já que até hoje Washington considera o EI como um mero ex-ramo da Al-Qaeda, separado de sua matriz após um conflito interno entre jihadistas.

    "Os EUA estão demorando para entender as consequências do declínio da Al-Qaeda e seu possível colapso, apesar de promover intensos estudos sobre o EI. Isso gera dúvidas quanto a capacidade dos EUA de combater simultaneamente um grupo em declínio e um outro grupo em ascensão, já que até agora a burocracia de Wahsington segue concentrada na al-Qaeda como sendo a principal ameaça" – diz o artigo do The Guardian.

    Recentemente, o próprio Presidente Barack Obama assumiu que a emergência do Estado Islâmico é resultado das ações de Washington no Oriente Médio. Agora, suas consequências começam a abalar a própria segurança interna dos EUA, a julgar pelo recente ataque do grupo terrorista no Texas e pelas constantes ameaças feitas contra o país.

    O Estado Islâmico é um grupo jihadista sunita surgido inicialmente como um ramo da Al-Qaeda, e que em 2014 cortou todos os laços com essa organização promovendo uma ampla expansão na Síria e no Iraque. Atualmente, o EI também opera através de grupos terroristas aliados no Iêmen, Líbia, Paquistão e Afeganistão.

    Mais:

    Noruega teme consequências da rivalidade entre EI e Al-Qaeda
    Segundo EUA, Iraque deve fazer mais esforço para combater EI
    Luta contra EI chegou a um impasse?
    Tags:
    expansão, opinião, terrorismo, Al-Qaeda, Estado Islâmico, The Guardian, Ayman al-Zawahiri, Abu Muhammad al-Maqdisi, Abu Qatada, EUA, Iraque, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar