23:18 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Putin e Renzi na Expo 2015

    Putin: “O G7 não é uma organização”

    © Sputnik / Aleksei Nikolsky
    Mundo
    URL curta
    1460
    Nos siga no

    Nesta quarta-feira, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, que está de visita na Itália, inaugurou o Dia da Rússia na Expo 2015. O líder russo encontrou-se com o primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, e visitou os pavilhões da Rússia e da Itália. Depois, os dois líderes concederam uma entrevista coletiva aos jornalistas internacionais.

    O líder russo e o chefe do governo italiano debateram uma série de questões importantes da agenda internacional. Entre os temas principais, constam as relações dentro do G7, G20, BRICS, problemas do terrorismo internacional e as consequências da "guerra das sanções".

    A visita de Putin à Itália acontece dois dias depois da cúpula alemã dos "sete grandes" (Alemanha, Canadá, EUA, França, Itália, Japão, Reino Unido) e do Fórum Parlamentar dos BRICS, que teve lugar em Moscou. Dentro de um mês, começará em Ufá, na Rússia, a cúpula presidencial dos BRICS. Neste contexto, o encontro russo-italiano ganha importância, já que a Itália não apoia oficialmente as sanções impostas pelo Ocidente contra a Rússia.

    Vladimir Putin e Matteo Renzi na Expo 2015
    © Sputnik / Aleksey Nikolsky
    Vladimir Putin e Matteo Renzi na Expo 2015

    As sanções prejudicam intercâmbio comercial entre a Rússia e a Itália, disse Putin, respondendo a uma pergunta na entrevista coletiva. É de notar que a Itália não apoia abertamente as sanções europeias, porém tem que sofrer as suas consequências. Segundo o presidente russo, as empresas italianas perderam cerca de um bilhão de euros em resultado das sanções.

    A opção da possível revogação das sanções antirrussas não foi discutida entre os políticos. Antes, na cerimônia de encerramento da cúpula do G7 na segunda-feira, o presidente norte-americano, Barack Obama, tinha ressaltado que as sanções irão vigorar até que a Rússia mude a sua posição em relação à Ucrânia.

    Putin na Expo 2015
    © Sputnik / Aleksei Nikolsky
    Putin na Expo 2015

    No entanto, o presidente russo apelou aos europeus a "não abdicar da cooperação bilateral", sublinhando que "a Rússia sempre encontrará parceiros".

    G7

    O G7 foi a principal manchete da semana passada na mídia europeia. Não tinha como evitar este assunto no encontro de hoje. Putin comentou a sua atitude para com este bloco internacional dizendo que os parceiros do G7 acreditam que pontos de vista alternativos não são bem-vindos:

    "Nós não temos nenhuma relação com o G7. Quando fizemos parte [desse grupo], mantivemos relações. Eu acreditava que isso tinha sentido, porque nós representávamos um ponto de vista alternativo. Mas os nossos parceiros acreditaram que não precisavam disso".

    Ainda qualificou o próprio G7 como "um clube, não uma organização".

    Ucrânia

    Comentando o assunto do conflito na Ucrânia, Matteo Renzi insistiu que os Acordos de Minsk devem ser respeitados:

    "Nós compartilhamos o princípio universal. É assim: os Acordos de Minsk-2 são uma orientação, um meio auxiliar no trabalho de regulação da situação na Ucrânia".

    "Todas as pessoas de boa vontade trabalham para implementar integramente os Acordos de Minsk e permitir pôr fim à crise no território da Ucrânia", disse o primeiro-ministro italiano.

    Putin concordou com esta posição, mas sublinhou que as partes só cumprem os Acordos de Minsk "de uma maneira seletiva".

    Agenda

    Agora, o presidente russo irá viajar de Milão para a capital italiana, onde terá um encontro com o seu colega Sergio Mattarella e com o Papa Francisco.

    Mais:

    Seminário no Rio: desafios e oportunidades dos BRICS
    Economista Paulo Nogueira Batista Jr. será Vice-Presidente do Banco do BRICS
    Rússia prepara cúpula dos BRICS em meio de críticas do G7
    As duas Casas Legislativas assinam a Primeira Declaração do BRICS de âmbito Legislativo
    Kremlin: G8 e G7 são formatos ineficazes
    Tags:
    visita, Expo 2015, G7, BRICS, Sergio Mattarella, Matteo Renzi, Papa Francisco, Barack Obama, Vladimir Putin, Itália, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar