16:13 19 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Agentes belgas em operação antiterrorista em Verviers, na Bélgica, em 15 de janeiro

    Polícia belga desarticula rede de terroristas chechenos com ajuda do WhatsApp

    © AFP 2019 / JOHN THYS
    Mundo
    URL curta
    0 04

    Dezesseis imigrantes chechenos foram presos na Bélgica durante uma operação antiterrorista realizada em todo o país, segundo informou a procuradoria-geral belga nesta segunda-feira (8).

    "Um total de 16 suspeitos de terrorismo foram presos no decorrer da operação antiterrorista; todos eles são imigrantes chechenos", afirma a declaração publicada pelo gabinete do procurador belga. 

    A nota também observa que "a operação foi realizada simultaneamente no âmbito de duas investigações paralelas entre radicais nativos da Chechênia".

    Segundo o jornal Le Soir, a polícia federal da Bélgica conduziu buscas em 21 apartamentos, sendo dez deles localizados no porto de Oostende, a maior cidade da costa belga banhada pelo Mar do Norte. Lovaina, Bredene, Amberes, Jabekke e Namur também foram cobertas pelas forças de segurança.

    Na cidade universitária de Lovaina, os agentes teriam encontrado detalhes sobre supostos planos para um ataque terrorista no país, de acordo com a mesma fonte. Segundo os investigadores, os imigrantes detidos teriam recebido treinamento de jihadistas na Síria ou no Afeganistão. 

    De acordo com o canal de televisão belga RTBF, um deles teria voltado ferido para Oostende depois de ter lutado na Síria com os grupos terroristas Frente al-Nusra, ramo sírio da Al Qaeda, e Emirado do Cáucaso, ambos com células de recrutamento na região de Flandres, norte da Bélgica.

    Ainda segundo o diário, o objetivo do combatente ferido era recrutar novos membros para enviar a Aleppo, a maior cidade da Síria, cujo controle está sendo atualmente disputado por diversos grupos rebeldes, inclusive o Estado Islâmico.

    De acordo com as autoridades belgas, foi a pista do suspeito ferido que levou à descoberta da rede de jihadistas chechenos, em investigação aberta em 18 de fevereiro deste ano.

    No entanto, os 16 detidos, descritos pela promotoria como "extremistas salafistas", já integravam a lista de suspeitos da polícia belga desde 23 de janeiro, quando começaram a ser investigados por supostamente fazer parte de um grupo de chechenos de Lovaina que preparava um ataque terrorista no país.

    Quatro suspeitos eram integrantes da comunidade chechena e moravam na cidade universitária. Um quinto suspeito residia em Namur, no sul do país, e outro era um cidadão belga de Lovaina, que teria entrado para a jihad na Síria ou no Iraque.

    As autoridades belgas informaram ainda que trabalharam em estreita colaboração com os EUA para controlar a comunicação dos suspeitos através do serviço de mensagens instantâneas WhatsApp.

    De acordo com estimativas recentes da Europol, entre três mil e cinco mil europeus teriam se unido ao movimento jihadista. Destes, cerca de 400 viveriam na Bélgica.

    Mais:

    Jihadistas na Síria continuavam recebendo subsídios sociais da Dinamarca
    Forças sírias e Estado Islâmico travam batalhas próximo às fronteiras com Iraque e Turquia
    Bandeira do Estado Islâmico hasteada na Bósnia
    Combatentes estrangeiros do Estado Islâmico entram na Síria via Turquia segundo Washington
    Tags:
    chechenos, terrorista, jihadistas, jihad, atentado, ataque, terrorismo, WhatsApp, Emirado do Cáucaso, Europol, Frente al-Nusra, Al-Qaeda, Namur, Lovaina, Oostende, Bélgica, Chechênia, União Europeia, Iraque, Afeganistão, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar