04:37 04 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)
    0 05
    Nos siga no

    Um estudo divulgado por especialistas norte-americanos revelou que, aproximadamente, 150 mil pessoas morreram no Afeganistão e no Paquistão desde o início dos combates dos EUA contra o Talibã.

    O levantamento, realizado pelo Instituto Watson de Estudos Internacionais, como parte de um programa sobre os "Custos da guerra", mostra também que o número de feridos nestes dois países, desde 2001, é superior a 162 mil. 

    Apesar dos anúncios de retirada das tropas americanas, adiada pelo presidente Barack Obama, a pesquisa indica que o conflito no Afeganistão está se intensificando, ao invés de estar se aproximando do fim, já que o número de vítimas não parou de crescer ao longo dos últimos anos. E, na verdade, a decisão de manter os quase 10 mil soldados americanos no país por mais tempo, segundo o Instituto Watson, é uma prova de que a guerra está longe de terminar.  

    No Paquistão, onde, de maneira geral, os combates perderam força nos últimos tempos, o conflito continua intenso na região noroeste do país, o que contribui para o aumento no número de vítimas. 

    De acordo com os responsáveis pelo estudo, os dados apresentados levam em consideração principalmente os mortos e feridos, civis e militares, de maneira direta, já que é extremamente complicado avaliar o número de vítimas indiretas, atingidas por problemas como a desnutrição, falta de cuidados ou abrigos etc. 

     

    Tema:
    Afeganistão entre OTAN e Talibã (109)

    Mais:

    Produção de drogas no Afeganistão cresceu após chegada dos americanos
    Moscou encerra transporte de armas da OTAN para o Afeganistão através do território russo
    Homens armados atacam pousada em Cabul, no Afeganistão
    Militares americanos roubaram pelo menos US$ 50 milhões no Iraque e no Afeganistão
    Tags:
    vítimas, guerra, conflitos, Instituto Watson de Estudos Internacionais, Barack Obama, Paquistão, EUA, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar