12:58 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Rand Paul, senador republicano dos EUA

    Candidato republicano a presidência dos EUA, Rand Paul incendeia seu partido

    © REUTERS / John Sommers II
    Mundo
    URL curta
    0 91

    Um dos candidatos às primárias do Partido Republicano americano para a disputa presidencial de 2016, Rand Paul, causou um terremoto ao criticar abertamente o programa de espionagem proposto pelo Ato Patriótico.

    Durante um discurso incendiário no Senado, Rand Paul acusou seus correligionários de "secretamente desejarem um ataque terrorista para poderem colocar nele a culpa". O pronunciamento se deu logo após Paul dificultar que o Congresso votasse uma ampliação das prerrogativas que permitem que a Agência Nacional de Segurança dos EUA (NSA) recolha sem autorização judicial ou provas criminais as conversas de milhões de americanos.

    Apesar da suspensão do projeto ser temporária, e do fato de que provavelmente será implementado ao longo da semana, a partir da própria bancada republicana têm se intensificado os ataques contra o senador de reconhecidas convicções mais libertárias e de posição círitica em relação às políticas intervencionistas tanto do atual Presidente Obama como seu antecessor, George W. Bush.

    "As pessoas que pensam que o mundo vai acabar e vamos ser invadidos nesta mesma noite por jihadistas aproveitam-se do medo", disse Paul para seus colegas, os quais acusou de quererem que as pessoas renunciem à "liberdade pelo medo".

    "Nós não devemos nos desarmar enquanto os nossos inimigos se tornam mais sofisticados e agressivos", respondeu o líder do Partido Republicano no Senado, Mitch McConnell, "e não deveríamos fazer campanha baseados na demagogia e nas mentiras geradas pelas ações ilegais de Edward Snowden", acrescentou.

    As pesquisas publicadas nos últimos dias estão a favor de Rand Paul, como, por exemplo, uma da ACLU (American Civil Liberties Union), segundo a qual dois terços da população quer que as prerrogativas do Patriot Act sejam limitadas, e 80% acredita que antes de grampear o telefone ou abrir o e-mail de um cidadão é imprescindível a autorização de um juiz.

    No entanto, para comentaristas como Peter Weber, Rand Paul teria sacrificado suas possibilidades na corrida presidencial para defender seus princípios libertários, enquanto o senador John McCain, peso pesado de seu partido, o acusou de usar a segurança nacional para fins de receita, ou seja, chamar a atenção e levantar fundos para financiar sua campanha para as primárias.

    Paul negou as acusações e sublinhou que "nós podemos parar terroristas utilizando a Constituição,".

    O ato patriótico é um Decreto expedido durante o governo do ex-presidente George W. Bush logo após os atentados de 11 de sembro. Entre suas determinações o ato normativo permite que os órgão de inteligência norte-americanos invadam contas de e-mail e garmpeiem ligações telefônicas sem qualquer autorização judicial prévia.

    Mais:

    Tribunal americano reconhece que espionagem da NSA foi ilegal
    Senado dos EUA não prorroga programa de vigilância da NSA
    Decisão do Congresso dos EUA não acaba com “grampo telefônico” da NSA
    Tags:
    espionagem, Ato Patriótico, Partido Republicano, Rand Paul, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik