06:47 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    FIFA

    EUA usam escândalo de corrupção na FIFA em seus próprios interesses

    © Sputnik / Alexander Wilf
    Mundo
    URL curta
    0 387

    O escândalo de corrupção na FIFA e a prisão de vários funcionários esportivos na Suíça já criou vários rumores e neste momento há mais perguntas do que respostas.

    Logo da FIFA no QG da empresa em Zurique, na Suíça
    © AP Photo / Keystone, Steffen Schmidt
    A luta contra a corrrupção é, com certeza, algo positivo. Segundo disse a presidente do Brasil Dilma Rousseff, citada pela Globo, a investigação policial que levou à detenção de sete dirigentes da FIFA por suspeitas de envolvimento em um esquema de corrupção vai "beneficiar o Brasil" e permitirá a profissionalização do futebol. Na avaliação da chefe do Executivo, não há risco de a apuração prejudicar o futebol brasileiro.

    Porém, outros líderes mundiais frisam vários aspetos estranhos na história. Assim o presidente russo Vladimir Putin acha muito estranho que as detenções dos funcionários da FIFA tenham sido feitas através de solicitação dos EUA, que tentam expandir a sua jurisdição para os outros países. 

    “Podemos pressupor que alguns deles [funcionários da FIFA] violaram alguma lei, eu não sei, mas tenho plena certeza que os EUA não têm nada a ver com isso. Eles, esses funcionários, não são cidadãos dos EUA. Se alguma coisa aconteceu, isso não foi no território estadunidense e os EUA não têm nada a ver com isso. É mais uma tentativa evidente de expandir a sua jurisdição para os outros países”, disse Putin respondendo à pergunta de jornalistas em relação do escândalo na FIFA.    

    Anatoly Kapustin, jurista e presidente da Associação Russa de Direito Internacional, concorda com o presidente russo:

    “Os americanos gostam de falar sobre a prevalência de direito e da lei no seu país e no estrangeiro. Neste caso, a prevalência não é visível porque eles só podem pedir a extradição com base no acordo internacional que existe entre a Suíça e os EUA. Ele prevê a extradição de cidadãos dos dois países: da Suíça e dos EUA. No que se diz respeito a cidadãos de terceiros países, o documento não prevê tal possibilidade, seja um funcionário ou outra pessoa física. Isto ultrapassa as fronteiras do direito internacional, é um certo desafio ao direito internacional”, opina o especialista.

    Mas quais são as razões do envolvimento dos EUA no escândalo?

    Será que é uma vingança contra o presidente da FIFA Joseph Blatter por seu empenho em realizar a Copa do Mundo 2018 na Rússia?

    Os EUA tentam impedir a reeleição de Blatter como presidente da FIFA o que é uma violação clara dos princípios de funcionamento das organizações internacionais, opina o líder russo Vladimir Putin. 

    Após as prisões, o senador americano Bob Menendez disse que o escândalo significa que a FIFA precisa de um novo presidente e acrescentou que “desde há muito tempo tinha preocupações sobre a escolha da Rússia como sede da Copa do Mundo 2018”. Lembramos que, no início de abril, a FIFA rejeitou o pedido de 13 senadores norte-americanos de retirar à Rússia a organização da Copa do Mundo em 2018.

    O presidente da Rússia, Vladimir Putin, também não exclui que na situação da FIFA, os EUA usam os mesmos meios que usaram para com o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, e o ex-funcionário dos serviços secretos estadunidenses Edward Snowden, ou seja, unicamente para satisfazer os interesses americanos.

    “Lamentavelmente, nossos parceiros norte-americanos usam tais métodos para satisfazer os seus interesses pessoais, e o fazem ilegalmente, perseguindo pessoas. Eu não excluo que o mesmo esteja acontecendo em relação à FIFA, embora não saiba como isso vai terminar. Mas o fato de isto acontecer na véspera das eleições do presidente da FIFA me faz pensar exatamente nisso”, disse Putin comentando a situação em torno da FIFA.

    Enquanto isso, a União de Futebol da Rússia (RFS, na sigla em russo), não obstante as detenções na FIFA, irá apoiar a candidatura de Joseph Blatter nas eleições. Segundo o presidente da RFS, Nikolai Tolstykh, o chefe da Federação fez muito pelo futebol mundial.

    Há também outras versões. Uma deles é que os EUA usam este escândalo esportivo como uma certa “cortina de fumaça” para esconder um outro escândalo mais sério, neste caso de espionagem. 

    O mundo já sabia desde 2013 do monitoramento telefônico realizado pelos EUA no mundo inteiro, inclusive na Alemanha, Brasil e outros países. Porém, recentemente soube-se que a espionagem norte-americana teve um aliado na Europa: a própria Alemanha.

    O Bundesnachrichtendienst (BND, Serviço de Inteligência Nacional da Alemanha) colaborou com a Agência Nacional de Segurança dos EUA (NSA) desde pelo menos 2008, sabendo da espionagem que os estadunidenses realizavam e fornecendo apoio a eles.

    EUA usam escândalo de corrupção na FIFA em seus próprios interesses
    EUA usam escândalo de corrupção na FIFA em seus próprios interesses
    Para alguns especialistas, como o cientista político Dmitry Kosyrev, o escândalo da corrupção na FIFA é só um pretexto para desviar a atenção desse assunto. Há que ter em conta que em breve decorrerá a cúpula do G7.

    É extremamente curioso que os altos cargos da FIFA que enfrentam acusações de corrupção foram detidos pela justiça norte-americana.

    Antes, já houve rumores que afirmavam que Obama não iria à reunião do G7 na Alemanha se Berlim publicasse os dados sobre as pessoas e entidades espionadas pela NSA. Tal informação foi desmentida formalmente pelo presidente dos Estados Unidos. Mas rumores não surgem em vão.

    Mais:

    Fifa afasta José Maria Marin e mais dez investigados em casos de corrupção
    Figo desiste de candidatura e dispara contra a FIFA
    Presidente da FIFA propõe amistoso entre Israel e Palestina
    Tags:
    corrupção, futebol, Agência Nacional de Segurança (NSA), FIFA, Joseph Blatter, Barack Obama, Vladimir Putin, Catar, Alemanha, América Latina, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar