04:47 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Forças navais da China nas ilhas Spratly

    Pequim defende suas ações no mar do Sul da China e alerta os EUA a parar com provocações

    © AFP 2019 / RITCHIE B. TONGO
    Mundo
    URL curta
    0 171
    Nos siga no

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hua Chunying, afirmou em entrevista coletiva na quarta-feira (27) que a construção pelo país de ilhas artificiais no mar do Sul da China são legais, não infringindo, portanto, o direito internacional. Ele também pediu aos EUA para se absterem de declarações provocativas.

    O assessor criticou as tentativas de alguns países de elevar a tensão na região e prejudicar a imagem da China, afim de encobrir sua ocupação ilegal do território chinês. Hua também afirmou que a liberdade de navegação não deve ser tomada como desculpa para alguns países ferirem a soberania de outros. Ele se referia as atividades de vigilância dos EUA na região.

    Hua Chunying voltou a afirmar que as atividades da aviação norte-americana sobre o mar do Sul da China são altamente perigosas e suscetíveis a incidentes indesejáveis. Ele pediu que os EUA contribuam para a paz e a estabilidade na região e que parem com atos irresponsáveis.

    Pequim considera a maior parte do mar do Sul da China como seu território, mas Brunei, Malásia, Taiwan, Filipinas e Vietnã fizeram reivindicações sobre uma região do oceano Pacífico. O governo chinês tem repetidamente advertido os EUA a não se envolverem na disputa territorial porque Washington não é uma parte na questão.

    Na quarta-feira (27), o secretário de Defesa norte-americano, Ashton Carter, disse que “as ações da China demandam um crescente envolvimento norte-americano na região da Ásia-Pacífico, e vamos enfrentá-lo”.

    A guerra de palavras entre Pequim e Washington se intensificou após um incidente na semana passada, quando uma aeronave de vigilância norte-americana P-8A Poseidon sobrevoou as ilhas Spratly, apesar das advertências da China para deixar o espaço aéreo sobre o arquipélago.

    Em 22 de maio, o Departamento de Estado dos EUA rejeitou as exigências de Pequim de que aviões de vigilância US parem de sobrevoar o território disputado no mar do Sul da China, uma das regiões mais importantes para sua estratégia militar.

    Ao longo dos últimos meses, a China tem construído ilhas artificiais e recifes de corais na região. Alarmados por estes desenvolvimentos, os EUA vêm apelando repetidamente às autoridades chinesas para suspender o projeto que Pequim defende como um esforço pacífico e legal e universalmente benéfico.

    Carter reiterou o sentimento em um discurso na base militar de Pearl Harbor, no Havaí, pedindo uma “suspensão imediata e duradoura para a recuperação de terras por qualquer reclamante”. Hua Chunying respondeu: “Nós temos nosso próprio julgamento e ninguém tem o direito de dizer a China o que fazer”.

    A agência de notícias Xinjua chamado declarações de Carter “não só injustificada, mas também prejudicial para a paz regional e a estabilidade” em um editorial publicado nesta quinta-feira (28). “Claramente, os EUA queriam jogar as atividades de construção da China e retratar o país como uma ameaça à estabilidade regional, em um movimento perigoso e irresponsável que pode levar a erros de cálculo e incidentes indesejáveis”, acrescentou a agência de notícias chinesa.

    Tags:
    ilhas artificiais, provocação, disputa, vigilância, sobrevoo, Pearl Harbor, P-8A Poseidon, Xinjua, Hua Chunying, Ashton Carter, Havaí, Ásia-Pacífico, Oceano Pacífico, Vietnã, Filipinas, Taiwan, Malásia, Brunei, Spratly, Mar do Sul da China, EUA, Pequim, Washington, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar