08:09 18 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 119
    Nos siga no

    O ex-presidente da Colômbia Andrés Pastrana anunciou que irá visitar a Venezuela nesta semana para se encontrar com a oposição e discutir com o presidente Nicolás Maduro a situação política no país.

    "Amanhã eu farei, com o ex-presidente [da Bolívia] Jorge [Fernando] Tuto Quiroga [Ramírez], uma visita humanitária à Venezuela para conhecer o estado de saúde de Leopoldo López e Daniel Ceballos, disse o ex-mandatário colombiano no seu Twitter, nesta quinta-feira.

    Leopoldo López, ex-prefeito da cidade de Chacao pelo partido Voluntad Popular, liderou os protestos anti-Maduro em fevereiro de 2014. Agora, está preso por acusações de terrorismo e homicídio. Daniel Ceballos, ex-prefeito de San Cristóbal, está também preso sob acusações semelhantes.

    Além do tuíte, Pastrana enviou, segundo o jornal espanhol El Diario, uma carta a Maduro em que pediu uma reunião pessoal:

    "Deus queira, presidente Maduro, que possamos ter e manter um encontro com o senhor. Deus queira que possamos compartilhar com o senhor as nossas inquietações sobre o que estamos assistindo neste momento e, em especial, sobre o estado de saúde em que se podem encontrar tanto Daniel Ceballos, como Leopoldo López".

    Em janeiro, Andrés Pastrana já tinha efetuado uma visita à Venezuela com fins semelhantes, acompanhado pelo ex-presidente do Chile, Sebastián Piñera. Os dois ex-governantes tentaram visitar os presídios em que estavam os oposicionistas, mas o acesso foi-lhes negado.

    Naquela altura, a chancelaria da Colômbia afirmou que a visita do ex-presidente tinha caráter privado e não tinha sido coordenada oficialmente.

    Em finais de janeiro, o presidente venezuelano também criticou Pastrana, dizendo que a Venezuela não quer ingerência colombiana.

    Manifestações antigovernamentais em Caracas
    © AP Photo / Fernando Llano
    Manifestações antigovernamentais em Caracas

    O clube de ex-presidentes latino-americanos, de tendências de direita, apoiados e apoiantes dos EUA, já tentou influenciar a política de Dilma Rousseff.

    Em abril, um grupo de antigos mandatários regionais, inclusive o brasileiro Fernando Henrique Cardoso, o mexicano Vicente Fox, o boliviano Jorge Quiroga e outros, reuniram-se no Brasil para discutir o Mercosul. Rejeitando o estado atual do Mercosul, que qualificaram de "cadáver", expressaram o desejo de que Dilma, durante a sua visita a Washington, planejada para junho, comece a "liderar a integração" da região com os Estados Unidos.

    Mitrzy Capriles de Ledezma (esquerda) e Lilian Tintori (direita) com o senador brasileiro Aluízio Ferreira (centro) em maio de 2015.
    © AFP 2021 / EVARISTO SA
    Mitrzy Capriles de Ledezma (esquerda) e Lilian Tintori (direita) com o senador brasileiro Aluízio Ferreira (centro) em maio de 2015.

    Mais cedo neste mês de maio, duas esposas de oposicionistas venezuelanas, Lilian Tintori, de López, e Mitzy Capriles de Ledezma, esposa do ex-prefeito de Caracas Antonio Ledezma, também preso, visitaram o Brasil. Encontraram-se com senadores, mas a presidente Dilma Rousseff limitou-se a escrever uma carta bastante equilibrada, em que frisava a importância de seguir as normas do processo político.

    Mais:

    Ex-presidentes da América Latina 'ensinam' Dilma a cooperar com EUA
    Unasul pressiona Venezuela por uma data para as eleições legislativas
    Moscou apoia Venezuela contra “arrogância” dos EUA
    Rússia e Brasil solidarizam-se com Venezuela
    EUA não conseguem minar relações entre Venezuela e Cuba
    Tags:
    América Latina, América do Sul, Colômbia, Bolívia, Venezuela, Brasil, Chile, Nicolás Maduro, Dilma Rousseff, Andrés Pastrana, Leopoldo López, Daniel Ceballos, Antonio Ledezma, ex-presidentes
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar