01:18 19 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 533
    Nos siga no

    No futuro próximo, a Rússia pode se converter em uma das cinco superpotências mundiais, disse nesta quarta-feira o ex-presidente da Polônia Aleksander Kwasniewski.

    "A Rússia poderia chegar a ser, em um futuro próximo, um dos novos centros do mundo multipolar que está se formando", afirmou em uma conferência sobre segurança em Praga, na República Tcheca.

    As demais superpotências seriam Estados Unidos, China, Índia e a União Europeia, afirma o ex-presidente polonês.

    "Os EUA manterão também um papel importante, mas nunca mais serão tão fortes como nós últimos 20 ou 30 anos", avaliou. Segundo Kwasniewski, a União Europeia deve continuar desenvolvendo as reformas necessárias para acabar com a crescente onde de egoísmo nacional.

    Silhuetas humanas no fundo da lua
    Mark Gee. National Maritime Museum
    Quanto às próximas ações da Rússia, o ex-presidente descartou que Moscou busque invadir os países bálticos, já que, em sua opinião, o único objetivo do país é apoderar-se de toda Ucrânia e não apenas de Donetsk e Lugansk.

    "Moscou continuará sua pressão econômica e sua propaganda contra a Ucrânia e buscará novos métodos para ficar com toda a Ucrânia", declarou.

    Kwasniewski, presidente da Polônia de 1995 a 2005, supõe que a Rússia pensa em organizar uma nova mudança de poder em Kiev. As novas autoridades ucranianas "não teriam oposição europeia", mas "não sonharam com o impossível, e seu sonho realista será a Rússia."

    Mais:

    Rússia desiste dos porta-helicópteros franceses Mistral
    Rússia confirma acordo com Irã sobre mísseis S-300
    Rússia e EUA se aproximam do consenso sobre as sanções da ONU contra o Irã
    A convite da Estônia, EUA ampliam sua presença militar perto da Rússia
    Noruega nega que exercícios militares tenham a ver com a Rússia
    Tags:
    superpotência, potência, Aleksander Kwasniewski, Polônia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar