14:09 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente dos EUA, Barack Obama

    Casa Branca: EUA não estão dispostos a ir à guerra pela Ucrânia

    © AP Photo / Susan Walsh
    Mundo
    URL curta
    11128

    Os EUA não estão dispostos para ir à guerra pela Ucrânia, mas podem ajudar Kiev no âmbito da OTAN, declarou nesta terça-feira o acessor do presidente norte-americano Josh Earnest.

    Em entrevista coletiva, o porta-voz de Barack Obama respondeu a pergunta de jornalistas sobre a diferença entre a situação no Iraque, onde os EUA promovem uma ativa operação militar, e na Ucrânia, onde os EUA apoiam as ações das autoridades de Kiev, mas excluem uma intervenção militar própria.

    "Os EUA apoiam seus parceiros ucranianos, que tentam combater esta ameaça à sua segurança. Os EUA não estão dispostos a ir à guerra pela Ucrânia, e nós já deixamos isso claro, mas, ao mesmo tempo, os EUA e os nossos parceiros da OTAN têm meios para ajudá-los a combater a ameaça por parte da Rússia com a qual eles se deparam, e que violou demasiado abertamente a sua integridade territorial" – disse Earnest.

    Os EUA não reconhecem a reintegração da Crimeia à Rússia, ocorrida em março de 2014 através de um referendo realizado na península, e acusam Moscou de interferir nos assuntos internos da Ucrânia. Rússia, por sua vez, declara estar absolutamente isenta do conflito interno ucraniano e alega que a reintegração da Crimeia está totalmente alinhada às normas do direito internacional.

    Atualmente, as autoridades norte-americanas avaliam a possibilidade de enviar armamentos para Kiev. A proposta encontra apoio do Congresso e de grande parte do establishment político norte-americano. A posição oficial da Casa Branca não exclui a possibilidade de que o envio de armas para a Ucrânia possa ser aprovado futuramente.

    Mais:

    EUA garantem ajuda militar sem limites à Ucrânia
    EUA querem ter mais influência sobre a mediação do conflito na Ucrânia
    Historiador: EUA "criam" inimigos para garantir unidade interna
    EUA suspendem parcialmente sanções à Crimeia
    Tags:
    Casa Branca, Josh Earnest, Rússia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik