07:49 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Americanos participam de homenagem póstuma à professora Ibolya Ryan nos Emirados Árabes, em dezembro de 2014

    Médicos atestam sanidade de assassina de professora americana em Abu Dhabi

    © AP Photo/ Kamran Jebreili
    Mundo
    URL curta
    0 17331

    Uma cidadã dos Emirados Árabes Unidos acusada de matar uma mulher e tentar matar um homem, ambos americanos, em Abu Dhabi, no ano passado, foi considerada apta, pela Suprema Corte dos Estados Unidos, a ser julgada, depois que psiquiatras atestaram que ela tinha total consciência de suas ações quando cometeu os crimes.

    Alaa Bader al-Hashemi é suspeita de assassinar, a facadas, a professora  Ibolya Ryan, de 47 anos, em dezembro, em um shopping da capital dos Emirados Árabes, e de colocar uma bomba perto da casa da família de um médico norte-americano que vive no país. Os exames psiquiátricos foram realizados porque al-Hashemi alegou estar possuída por espíritos malignos e vendo fantasmas.

    "O resumo do relatório afirma que a ré é responsável por suas ações, e que ela estava consciente e com vontade de cometer os crimes, e nenhum problema mental ou emocional foi encontrado", afirmaram as autoridades, citadas pela imprensa americana. 

    Segundo os investigadores, a acusada teria abraçado a ideologia jihadista e decidiu realizar ataques contra cidadãos dos EUA em apoio a organizações terroristas, como a Al-Qaeda e o Estado Islâmico. Além do crime de homicídio, ela será julgada por posse ilegal de artefatos explosivos e por financiar grupos extremistas e promover ideias terroristas nos Emirados Árabes Unidos. O julgamento terá início no próximo dia 8. 

     

    Mais:

    Ucrânia firma acordo de compra de armamentos com os Emirados Árabes
    Casa Branca confirma morte de americana raptada pelo Estado Islâmico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik