05:44 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 91
    Nos siga no

    A reunião de cúpula da "Parceria Oriental", em Riga, na Letônia, terminou nesta sexta-feira com poucos progressos e muitas questões a serem resolvidas pelos países participantes.

    O encontro, envolvendo representantes da União Europeia e de seis ex-repúblicas soviéticas, chegou ao fim sem definições quanto às principais aspirações de alguns países do Leste Europeu, interessados na integração com o bloco ocidental e num regime de livre circulação pelo continente, e com sérias divisões no que diz respeito à Rússia e à atual crise ucraniana.

    De um lado, Armênia, Azerbaijão e Bielorrússia se recusaram a assinar um documento condenando o que a UE define como uma "anexação ilegal" da Crimeia pela Rússia, em referência à reintegração da península à Federação Russa, ocorrida no ano passado. De outro, o presidente ucraniano, Pyotr Poroshenko, ouviu das autoridades europeias que os países da zona do euro não estão prontos para estabelecer um regime livre de vistos com a Ucrânia ou com outros membros da "Parceria Oriental".  

    Segundo as autoridades da União Europeia, a cúpula realizada ontem e hoje na Letônia teve como objetivo discutir perspectivas de cooperação entre o bloco e os demais países participantes. E, embora Ucrânia, Geórgia e Moldávia tenham assinado, no ano passado, um acordo de associação com a UE, isso ainda não significa que esses Estados estejam ou estarão habilitados a ingressar no grupo. No entanto, Bruxelas afirmou que vê com bons olhos os esforços de Kiev e Tbilisi para alcançar um regime livre de vistos. 

    Ucrânia não vai receber um regime de isenção de vistos com a Europa
    © Sputnik
    Ucrânia não vai receber um regime de isenção de vistos com a Europa

    Para o ministro das Relações Exteriores da Bielorrússia, Vladimir Makei, a falta de progresso e as divisões internas mostram que a tal "Parceria Oriental" tem sido uma grande fonte de discórdias desde a sua fundação, em 2009. E, de acordo com ele, o Leste Europeu, nos últimos tempos, só tem enfrentado tensões crescentes e novos confrontos, que aprofundam essas divisões. 

    Com ou sem progresso, os membros da "Parceria Oriental" devem voltar a se reunir dentro de dois anos para avaliar os "resultados" alcançados nos últimos tempos. 

    Mais:

    Conselho Europeu: "Parceria Oriental" não significa caminho automático para UE
    Parceria Oriental não prevê ampliar UE e cooperar com Rússia
    Tags:
    Parceria Oriental, União Europeia, Vladimir Makei, Pyotr Poroshenko, Bielorrússia, Alemanha, Crimeia, Azerbaijão, Armênia, Moldávia, Letônia, Riga, Bruxelas, Leste Europeu, Europa, Rússia, Ucrânia, Geórgia, Tbilisi, Kiev
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar