23:51 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 19
    Nos siga no

    Os Estados Unidos finalmente reconheceram que as Forças Armadas norte-americanas foram responsáveis pela morte de duas crianças em consequência de um bombardeio realizado na Síria em 2014.

    Essa é a primeira vez que Washington assume a responsabilidade pela morte de civis na Síria. O ataque em questão, segundo o exército dos EUA, teria ocorrido em novembro, na cidade de Harim, contra instalações do grupo Khorasan. Nesta operação, de acordo com a AFP, também teria sido morto o cidadão francês David Daoud Drugeon, um especialista em bombas ligado à organização extremista e que planejava atentados contra países ocidentais. 

    "Nós lamentamos por essas mortes não-intencionais", declarou através de um comunicado o general americano James Terry, chefe do comando militar que lidera a coalizão para bombardear posições terroristas na Síria e no Iraque. O oficial garantiu que, antes dos bombardeios, o exército americano conduziu uma avaliação rigorosa dos alvos, concluindo que aquela área era utilizada unicamente para fins militares pelo Khorasan.  

    Nessa avaliação, "não havia indicação de que poderia haver crianças nas construções visadas", diz o comunicado, acrescentando que dois adultos não-combatentes também teriam se ferido no ataque, realizado em conformidade com as regras "humanitárias", de "proporcionalidade" e de "necessidade militar" das Forças Armadas americanas e internacionais. 

    Mais:

    Jihadistas na Síria continuavam recebendo subsídios sociais da Dinamarca
    Forças especiais dos EUA matam na Síria líder do Estado Islâmico
    Hezbollah declara guerra à Frente al-Nusra na Síria
    Israel verifica informações de mísseis disparados da Síria
    Porta-voz conta como Putin e Obama tomaram decisão sobre a Síria
    Tags:
    Washington, EUA, Síria, Iraque, Oriente Médio, Harim, James Terry, mortes, crianças, bombardeios
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar