17:10 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 04
    Nos siga no

    Autoridades iemenitas relataram que uma bomba lançada pela coalizão liderada pela Arábia Saudita atingiu nesta quinta-feira (21) uma ONG internacional de ajuda humanitária no norte do país. Cinco refugiados etíopes morreram. Dez pessoas ficaram feridas.

    Explosão após um ataque aéreo da Arábia Saudita em Sanaa, capital do Iêmen
    © AP Photo / Hani Mohammed
    As forças sauditas teriam feito disparos de artilharia e um ataque aéreo à Maydee, cidade da província de Hajja e próxima à fronteira entre o Iêmen e a Arábia Saudita. A região é ocupada pelas milícias houthis, aliadas do xiita Irã, e que estão sendo alvo das ações do país vizinho, de maioria sunita, há oito semanas.

    Uma fonte do Iêmen disse à Sputnik nesta quinta-feira que as milícias houthis mataram 10 soldados sauditas na fronteira. Os militantes iemenitas assumiram o controle da instalação de reserva do exército da Arábia Saudita. “O equipamento militar foi danificado durante um ataque com foguetes e bombardeios realizados por militantes houthis e tribos armadas”.

    A facção Houthi, a principal força de oposição política no Iêmen, assumiu o controle da capital Sanaa e outras cidades do país no final de 2014, forçando o Presidente Abed Rabbo Mansour Hadi a fugir. Em março, uma coalizão liderada pela Arábia Saudita começou a lançar ataques aéreos contra posições houthis no Iêmen. No final de abril, o grupo anunciou que iria encerrar a campanha de ataque aéreo, mas a operação continua.

    Os ataques sauditas e os confrontos de artilharia na fronteira foram intensos nesta quinta-feira e atrapalharão as negociações de paz marcadas para o dia 28 de maio, em Genebra, com o apoio da ONU.

    Tags:
    Arábia Saudita, Irã, Iêmen, Genebra, Etiópia, Maydee, Hajja, Abd Rabbuh Mansur Hadi, ONU, Nações Unidas, sunitas, Houthi, xiitas, ataque, mortes, fronteira, ajuda humanitária, ONG, negociações de paz
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar