09:44 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Situação no Iêmen

    Irã rejeita pedido dos EUA e mantém rota de navio humanitário para o Iêmen

    © REUTERS / Khaled Abdullah
    Mundo
    URL curta
    0 402

    O pedido de Washington para que o Irã envie sua ajuda humanitária ao Iêmen através de Djibouti não tem nenhum sentido, segundo declarou o Ministério das Relações Exteriores iraniano nesta quarta-feira (13).

    "As demandas das autoridades norte-americanas de mudar a rota do navio iraniano сom ajuda para o Iêmen e dirigi-lo para a costa de Djibouti são absolutamente ilógicas", disse a chancelaria em um comunicado.

    O Pentágono pediu a Teerã para distribuir a ajuda humanitária para o Iêmen sem que seus navios atraquem nos portos no país, utilizando, ao invés disso, o centro de distribuição da ONU situado na vizinha Djibouti.

    Segundo observa a nota do ministério iraniano, tal mudança implicaria na total falta de garantia de que o povo iemenita receba a ajuda do Irã. Além disso, Teerã afirma que, no caso de qualquer provocação no trajeto do navio, os responsáveis serão os EUA e a Arábia Saudita.

    O navio Iran Shahed zarpou na segunda-feira (11) do porto de Bandar Abbas no sul do país com destino ao porto iemenita de Houdaydah, no Mar Vermelho, carregando 2.500 toneladas de ajuda humanitária.

    Espera-se que a embarcação chegue ao Iêmen durante os cinco dias de trégua humanitária no país, que vem sofrendo uma grave crise devido a confrontos internos e aos bombardeios liderados por uma coalizão saudita contra os rebeldes xiitas conhecidos como houthis. O armistício foi proposto na semana passada por Riad e entrou em vigor na terça-feira (12).

    Mais:

    Mídia: coalizão testa novas armas israelenses em civis do Iêmen
    Iêmen: rebeldes afirmam ter derrubado avião da coalizão saudita
    Representante da ONU: coalizão liderada pela Arábia viola o direito internacional no Iêmen
    Tags:
    houthis, trégua, Iran Shahed, ajuda humanitária, Djibouti, Arábia Saudita, EUA, Irã, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik