12:49 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Combatentes rebeldes de o primeiro regimento, que faz parte do Exército Livre da Síria, participam de um treinamento militar no campo ocidental de Aleppo 4 de maio de 2015

    EUA começam treinamentos de rebeldes sírios

    © REUTERS/ Hosam Katan
    Mundo
    URL curta
    0 1168326

    Fontes no Pentágono revelaram que esta autarquia está colocando em funcionamento um esquema para o seu programa de treinamento e equipamento dos rebeldes sírios. As atividades respetivas irão começar ainda nesta semana.

    As tropas estadunidenses e o pessoal de apoio chegaram às localidades no Oriente Médio para dar início ao programa controverso de treinamento e equipamento de rebeldes sírios que os americanos consideram ‘moderados’. Estes rebeldes devem segundo o plano dos EUA lutar contra o Estado Islâmico.

    Em fevereiro o Pentágono anunciou que tinha assinado acordos com a Turquia e com a Jordânia que preveem construção de instalações para treinar e equipar combatentes oposicionistas na Síria. O Catar e a Arábia Saudita também se ofereceram para sediar os treinamentos.

    Os funcionários oficiais do Departamento da Defesa disseram que cerca de 1.200 combatentes da oposição síria foram identificados como potenciais candidatos para o treinamento. Segundo os relatos mais recentes, 400 deles já passaram o controle de segurança inicial e começarão a treinar em breve (isto é sujeito de aprovação final).   

    O programa prevê o treinamento de mais de 5 mil rebeldes anualmente durante três anos e inclui manejo com armas pequenas, comunicação de rádio, tática de batalha e assistência médica. SO rebeldes também serão equipados com armamentos, caminhões e rádios táticos.

    Os EUA esperam que os rebeldes treinados voltem para casa para defender suas cidades e aldeias do Estado Islâmico, porém permanecem preocupações de que os combatentes da oposição usarão as novas competências para lutar contra as forças governamentais ou se juntar às fileiras de grupos terroristas como a Frente Al-Nusra, por exemplo.

    Além disso, o número de rebeldes treinados no futuros em todo o caso será superado pelo número dos militantes do Estado Islâmico que segundo estimativas da CIA pode ultrapassar 30 mil pessoas.

    Curiosamente, os EUA recusam-se a cooperar com as autoridades oficiais sírias e nomeadamente com o presidente do país, Bashar Assad, na luta contra o Estado Islâmico, preferindo treinar e armar grupos autónomos que facilmente saem de controle. Vale lembrar que algumas evidências e testemunhas indicam que o próprio Estado Islâmico é fruto da política impensada dos EUA no Oriente Médio.

    Esta política custará 6,6 bilhões de dólares aos pagadores de impostos nos EUA – tal é o montante autorizado para o programa de luta contra o EI neste ano pelo The National Defense Authorization Act (NDAA na sigla em inglês).

    Tags:
    Exército, combates, terrorismo, treinamento, Estado Islâmico, EUA, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik