14:43 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Casa de Sindicatos em Odessa

    Mundo prestou homenagem à tragédia em Odessa (vídeo 18+)

    © Sputnik / Denis Petrov
    Mundo
    URL curta
    Ucrânia em foco da política internacional (289)
    0 27

    Cerca de 500 pessoas se reuniram na frente da Casa de Sindicatos em Odessa em homenagem à memória das vítimas da tragédia do ano passado, disse a RIA Novosti o porta-voz da polícia local.

    Os participantes da ação trouxeram as flores, faixas com inscrições "O fascismo não passará" e fotos do prédio queimado. Em Kiev os manifestantes exigiram as autoridades a conduzir uma investigação aprofundada. Em Moscou, perto da embaixada da Ucrânia, também foi uma ação de luto "Odessa. Dias malditos" com cerca de mil pessoas.

    Em uma pequena cidade italiana Cherian Laghetto foi instalado o monumento de Mártires de Odessa na praça de mesmo nome. 

    Mais de 60 pessoas, incluindo russos, ucranianos, britânicos e membros da espanhola organização anti-fascista, participaram da ação de memória em Londres. Eles exigiram diplomatas ucranianos trazer a investigação de assassinatos brutais até o fim.

    Várias dezenas de pessoas marcharam pelas ruas de Paris. Um evento semelhante foi realizada em memória em outra cidade francesa Estrasburgo. Os manifestantes gritaram slogans contra a guerra na Ucrânia e distribuíram panfletos.

    Em 2 de maio de 2014, dezenas de ativistas do movimento de protesto contra o golpe ocorrido em Kiev morreram no edifício da Casa dos Sindicatos de Odessa, que supostamente teria sido incendiado por extremistas radicais do Setor de Direita e seus cúmplices. De acordo com relatórios recentes, 48 pessoas morreram e 214 ficaram feridas.

    Tema:
    Ucrânia em foco da política internacional (289)

    Mais:

    Diplomata tcheco justificou queima de 48 pessoas em Odessa
    Tendência crescente: neonazistas fazem passeata em Odessa
    Tags:
    luto, tragédia, ação, Itália, Grã-Bretanha, França, Rússia, Odessa, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik