06:13 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Barack Obama, presidente dos Estados Unidos (EUA)

    Obama ensina China a resolver problemas externos

    © REUTERS / Yuri Gripas
    Mundo
    URL curta
    0 321

    O presidente Barack Obama declarou que a China resolve os seus problemas da “maneira errada”.

    O presidente dos EUA, Barack Obama, se reuniu com o premiê do Japão, Shinzo Abe, na terça-feira, 28 de abril, e após a reunião, ambos os políticos fizeram declarações à imprensa sobre a cooperação na região da Ásia-Pacífico.

    Ao mesmo tempo, Obama não perdeu a chance de criticar a política externa da China, especialmente a abordagem das questões marítimas e as disputas territoriais em que Pequim está envolvida:

    “Eu não quero minimizar, no entanto, existem algumas tensões reais que surgiram com a China em torno de sua abordagem das questões marítimas e as suas reivindicações. Mas isso não é um problema que esteja a surgir como consequência da aliança entre os EUA e o Japão. É essencialmente um conflito entre a China e vários países da Ásia Oriental e Sudeste da Ásia. Mas, em vez de resolver esses problemas através de resolução por via das normas do direito internacional, a China está treinando seus músculos. E nós dissemos à China o que diríamos a qualquer país na mesma circunstância: essa é a maneira errada de resolver os problemas.”

    As disputas territoriais são as das ilhas Senkaku — ou Diaoyu — que foram durante muito tempo objeto de disputa entre China e Japão. Tóquio alega que ocupa as ilhas desde 1895, enquanto Pequim argumenta que as ilhas foram reconhecidas como chinesas em 1783.

    Comentando as tensões nas relações entre os EUA e a China, Obama sublinhou que a aliança com o Japão não deve ser interpretada como motivo para tensões ou como provocação:

    “Vamos continuar a trabalhar com todos os países da região, começando com os nossos aliados nos tratados, para garantir que as normas internacionais básicas continuem a ser observadas. Não, nós não pensamos que a forte aliança EUA-Japão deva ser vista como uma provocação.”

    Na mesma reunião, Obama e Abe assinaram um acordo comercial.

    Após isso, Obama declarou ao jornal Wall Street Journal que "se não escrevermos as regras, a China as escreverá naquela região". Ele disse que, sem o acordo, empregos japoneses serão perdidos nos EUA, prejudicando as empresas e também o setor agrícola.

    A China está conquistando cada vez mais espaço econômico na região, primeiro, com assinatura de acordos de parceria (por exemplo, com a Coreia do Sul, há uns meses), e depois, com a criação do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, na sigla em inglês). O AIIB já tem pedidos de adesão até de países considerados como aliados dos EUA.

    O crescente poderio regional da China leva os EUA a cooperar com o Japão para enfraquecê-la. No entanto, o Japão se dá conta da importância da China, sua vizinha, e não quer estragar as relações com esse país por completo.

    Mas tanto a Rússia, como a China, estão entre os países que os EUA gostariam de ver com menos poder. E isso é uma contradição importante.

    O especialista russo Aleksandr Panov, ex-embaixador no Japão e alto funcionário do Instituto dos EUA e Canadá, comentou a situação à Sputnik:

    “A aspiração de Abe de fortalecer a cooperação com os EUA é explicada por uma razão simples e óbvia – o medo da China. Os norte-americanos declaram que apoiam a posição do Japão sobre as ilhas Senkaku. Mas os japoneses sabem que os EUA, tendo em conta o caráter das suas relações com a China, não irão agravar as relações com Pequim por causa das ilhas. Os EUA já deram a entender que se opõem à disputa territorial e que não querem ser envolvidos nela.”

    Segundo Panov, o Japão tenta mostrar a sua lealdade aos EUA e fortalecer a união militar entre os dois países até um ponto em que os EUA já não tenham outra solução senão apoiar o lado japonês, caso algo aconteça:

    “Portanto, o Japão mostra que segue fielmente as instruções dos EUA. Por exemplo, a instrução de não ir a Moscou. Talvez o Japão tenha o desejo de cooperar com a Rússia mas,  uma vez que é aliado dos Estados Unidos, não pode ir a Moscou a 9 de maio.

    Além disso, o Japão, juntamente com os Estados Unidos recusou a se juntar ao banco AIIB criado pela China, embora praticamente todos os outros aliados dos EUA tenham aderido. Impõe-se uma conclusão: o Japão, mesmo à custa dos seus interesses nacionais, continua apoiando os Estados Unidos.”

    Mais:

    China irá fundir empresas para aumentar eficiência
    Congresso tenta proibir Pentágono de usar satélites climáticos de Rússia e China
    Tags:
    declaração, Shinzo Abe, Barack Obama, Ásia, China, EUA, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik