20:33 15 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 62
    Nos siga no

    Apesar dos muitos apelos internacionais, a Indonésia confirmou que continuará o processo de execução de oito estrangeiros condenados à morte no país. No sábado (25), autoridades diplomáticas de seus países de origem, incluindo Brasil, Nigéria, Filipinas e Austrália, foram notificadas de que o fuzilamento de seus cidadãos acontecerá em breve.

    Os prisioneiros foram transferidos para a prisão de segurança máxima de Nusakambangan. O grupo conta ainda com um indonésio. Jacarta, porém, retirou da lista o francês Serge Atlaoui, que também estava entre os condenados que terão suas penas cumpridas em breve.

    O brasileiro Rodrigo Gularte faz parte do grupo. Ele foi preso em julho de 2004, quando tentou entrar na Indonésia com uma prancha de surfe recheada de cocaína. A justiça local decretou sua pena no ano seguinte. Caso seja executado, ele será o segundo brasileiro morto no país este ano. O primeiro foi Marco Archer Cardoso Moreira, fuzilado em janeiro junto com outros cinco presos.

    A condenação à pena capital de estrangeiros tem gerado protestos de muitos países. O Brasil e a Noruega chamaram de volta seus embaixadores em fevereiro. A presidente Dilma Rousseff negou temporariamente as credenciais do novo embaixador indonésio. Nesta segunda-feira (27), o governo da Austrália, que tem dois cidadãos entre os presos, pediu a Jacarta que suspenda as execuções.

    O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, também interferiu no processo. Ele explicou que a legislação internacional prevê que em países que adotam a pena capital esta só deve ser aplicada em caso de crime grave, com morte premeditada. O presidente indonésio, Joko Widodo, assumiu em 2014 fazendo do combate ao tráfico internacional de drogas uma bandeira. Ele negou clemência aos condenados à morte.

     

    Tags:
    Indonésia, França, Nigéria, Noruega, Austrália, Filipinas, Jacarta, Dilma Rousseff, Rodrigo Gularte, Ban Ki-moon, Joko Widodo, Marco Archer, Serge Atlaoui, ONU, Nações Unidas, pena de morte, execução, cocaína, fuzilamento, clemência, tráfico de drogas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar