14:50 21 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 524
    Nos siga no

    O premiê do Japão, Shinzo Abe, fechará nesta terça-feira (28) um acordo comercial com os EUA. Especialistas comentam que a visita não irá ajudar consideravelmente o Japão, já que os Estados Unidos só perseguem seus próprios interesses.

    A parte estadunidense prepara para Abe uma receção digna de chefe de Estado, com um jantar em sua honra na Casa Branca, para sublinhar a sua aliança com o Japão, com a qual pretendem aumentar a sua influência na região da Ásia-Pacífico.

    Presidente dos EUA Barack Obama na cúpula da APEC
    © Sputnik / Михаил Метцель/ТАСС/POOL
    Mas nem todas as controvérsias regionais podem ser resolvidas por esta visita (se é que alguma será). Os EUA esperam do primeiro-ministro Abe uma declaração sobre a Segunda Guerra Mundial, nas vésperas das comemorações da Vitória. No entanto, comentaristas asiáticos (por exemplo, Lee Myon-woo, vice-presidente do Instituto Sejong, da Coreia do Sul) notam que o premiê é "obstinado" no que toca ao tradicional militarismo japonês. Na Conferência Asiático-Africana em Bandung, em 22 de abril, ele quase omitiu todo o assunto da Segunda Guerra Mundial.

    Isso preocupa tanto a Coreia do Norte, como a China. E também os Estados Unidos. Estes três Estados formam um "triângulo" com um sistema de interações complicado. O crescente poderio regional da China leva os EUA a cooperar com o Japão para enfraquecê-la. No entanto, o Japão se dá conta da importância da China, sua vizinha, e não quer estragar as relações com esse país por completo.

    Um sinal disso é o encontro sino-japonês realizado durante a conferência de Bandung, acredita o ex-vice-secretário-geral do Gabinete japonês, Tsuyoshi Saito:

    "Talvez este encontro sino-japonês não tenha ocorrido por acaso justamente na véspera da visita de Abe aos EUA. Não foi um encontro simples. É importante não só para o desenvolvimento das relações bilaterais sino-japonesas, coreano-japonesas ou russo-japonesas, mas também para a manutenção da paz em todo o leste da Ásia. O que também corresponde aos interesses dos Estados Unidos, que têm uma estratégia própria na Ásia".

    Mas tanto a Rússia, como a China estão entre os países que os EUA gostariam de ver com menos poder. E isso é uma contradição importante.

    Washington pretende alcançar um "equilíbrio" na Ásia do Pacífico. Mas o "equilíbrio" de Washington significa mais peso de Washington. No entanto, a China está conquistando cada vez mais espaço econômico na região, primeiro, com assinatura de acordos de parceria (por exemplo, com a Coreia do Sul, há uns meses), e depois, com a criação do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, na sigla em inglês). O AIIB já tem pedidos de adesão até de países considerados como aliados dos EUA.

    Isso, sem contar com o Novo Banco de Desenvolvimento e o Arranjo Contingente de Reservas dos BRICS, recentemente ratificado pela Rússia. Deste modo, o peso econômico e financeiro da China irá crescendo, e os EUA terão que buscar novas vias — ou se adaptar à perda da sua versão de "equilíbrio" em prol de um equilíbrio regional com menos influência externa.

    Resulta que a "missão" de Abe nos EUA é quase impossível, acredita Andrei Ivanov, do Instituto da Pesquisa Internacional da Universidade das Relações Internacionais de Moscou:

    "[Os EUA e a China] são grandes parceiros comerciais e econômicos. Mas os EUA não conseguiram fazer com que a China seja seu parceiro e aliado político, porque Washington tem a obsessão messiânica de domínio mundial e por isso não quer parceiros, mas sim vassalos. Foi por isso que os EUA rejeitaram a Rússia. Washington também tem sempre olhado o Japão tão só como um instrumento de proteção dos interesses norte-americanos na Ásia. Os estadunidenses irão tentar manter esta função do Japão para o máximo prazo possível".

    A visita de sete dias do chefe do governo japonês irá ser difícil para ele. A aliança com os EUA forçará o seu país a reduzir a parceria com a China e outros países da região. Com isso, nem vence o Japão, nem os EUA.

    Tags:
    visita, Shinzo Abe, Ásia, Rússia, China, EUA, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar