01:12 21 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Ucrânia em foco da política internacional (289)
    0 16
    Nos siga no

    As autoridades alemãs sabiam dos riscos de sobrevoar o leste da Ucrânia antes do acidente do voo MH17 da Malaysia Airlines em julho do ano passado, mas não informaram as companhias aéreas, divulga a mídia local.

    Na segunda-feira, 27 de abril, o jornal alemão Suddeutsche Zeitung divulgou a informação citando fontes diplomáticas do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha.

    Poucos dias antes do acidente, a chancelaria divulgou um relatório em que se afirmava que a situação no leste da Ucrânia era "preocupante", e que um avião de transporte fora derrubado na mesma área a mais de 6.000 metros de altitude, mas nunca chegou a notificar o Ministério dos Transportes e as companhias aéreas.

    O relatório da chancelaria alemã citava especialistas aeronáuticos que declararam que, para abater um avião voando a tal altitude, foi usado um tipo especial de armamento, o que automaticamente punha em perigo todos os voos comerciais na região afetada pelo conflito.

    Os investigadores ainda continuam buscando os responsáveis pelo acidente do voo MH17, que caiu na região de Donetsk, matando todos os 298 passageiros e tripulantes.

    No mesmo dia que a catástrofe aconteceu (17 de julho), três aviões da empresa alemã Lufthansa sobrevoaram a área do acidente, incluindo um 20 minutos antes do MH17, divulgou o Suddeutsche Zeitung.

    A chancelaria alemã não comentou a informação. O Ministério Federal dos Transportes declarou que o governo não tinha informações sobre os riscos para a aviação civil antes do acidente do Boeing malaio.

    Este não é o primeiro caso nebuloso na investigação da catástrofe.

    Mais cedo foi tornado público que a Holanda continua a esconder 147 documentos da investigação.

    “Foram parcialmente abertos ao público 569 documentos, mas a informação importante neles é chuleada. 147 documentos permanecem secretos”, revelou em 9 de abril o canal televisivo holandês RTL Nieuws.

    Em setembro de 2014, a Holanda publicou um relatório prévio, que só confirmou que o avião malaio se desintegrou durante o voo “por causa de danos estruturais provocados pela ação externa de numerosos objetos de alto potencial energético”, mas não especificou a fonte destes objetos, deixando espaço para especulação sobre a arma usada para abater a aeronave. O relatório completo pode ser publicado em outubro deste ano.

    Tema:
    Ucrânia em foco da política internacional (289)
    Tags:
    investigação, MH17, Lufthansa, Malaysia Airlines, Alemanha, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar