15:13 18 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Situação no Iêmen

    Iêmen rejeita ajuda do Irã e considera ataque contra Arábia Saudita

    © REUTERS / Khaled Abdullah
    Mundo
    URL curta
    0 428
    Nos siga no

    O Iêmen rejeitou categoricamente as propostas do Irã de resolver a crise e avaliar a situação atual no país. O representante permanente do Iêmen na ONU, Khaled Alemani, se dirigiu ao Conselho de Segurança para forçar o Irã a parar a interferência nos assuntos do país.

    “O governo iemenita pede ao Conselho de Segurança para exigir do governo da República Islâmica do Irã que pare a sua interferência continuada, porque suas ações irresponsáveis são uma violação flagrante na unidade, integridade e soberania do Iêmen e uma tentativa de minar o governo legítimo”, diz a carta de Alemani, dirigida ao presidente do Conselho de Segurança.

    Na semana passada, o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, enviou ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, uma carta com um plano para resolver a situação no Iêmen. Em resposta a isso, Khaled Alemani declarou que o governo da República do Iêmen “categoricamente e totalmente rejeita o conteúdo desta carta e considera que ela representa uma interferência inaceitável nos assuntos internos do outro Estado”.

    No Iêmen, também questionaram as intenções do Irã para se tornar um "mediador neutral" no estabelecimento. Alemani na sua carta acusou o Irã de "equipar os Houthis com armas de acordo com os seus objetivos expansionistas".

    Por sua vez, um membro do Ansar Allah, Mohammad al-Bahiti, disse que o movimento fará em resposta um "ataque militar da Arábia Saudita se o bombardeio do território iemenita não for interrompido”. 

    Bahiti refutou a informação que a "coalizão árabe" destruiu o potencial militar dos Houthis com ataques aéreos. O representante do movimento disse que os Houthis, que tomaram o poder em Sanaa, "não precisam de mísseis" para atacar o reino saudita.

    “Os sauditas sabem isso. Nós demos a eles a mensagem e aconselhamos que façam conclusões adequadas”, disse Bahiti. 

    De acordo com ele, o Ansar Allah concorda em retomar o diálogo interno iemenita sob a égide das Nações Unidas "a partir do ponto quando ele foi interrompido por agressão árabe".

    A coalizão liderada pela Arábia Saudita e apoiada pelos Estados Unidos anunciou na terça-feira uma mudança da tática da sua intervenção no Iêmen que tinha começada no fim de março. Nesta quarta, começou a operação chamada "Restaurando a Esperança".

    A nova fase da intervenção internacional já matou muitas pessoas. Contudo, a comunidade internacional permanece quase silenciosa sobre o assunto. A ONU tinha instado as partes à paz e negociações, mas omitindo a participação da Arábia Saudita, autora dos bombardeios.

    Há uma parte da comunidade internacional que acusa o Irã de enviar navios militares à região para supostamente entregá-los aos rebeldes xiitas Houthis. O próprio Irã desmente categoricamente estas especulações, sublinhando que a atitude do país na questão do Iêmen é essencialmente pacificadora. A República Islâmica do Irã não se interfere nos assuntos internos do país árabe. Já na terça, após o anúncio sobre o fim da operação, o chanceler iraniano, Javad Zarif, disse que o seu país estava pronto para fazer tudo o que seja necessário para estabelecer o diálogo no Iêmen. Mas depois seguiu a nova fase da operação militar.

    Tags:
    ataque aéreo, crise, Ansar Allah, Conselho de Segurança da ONU, Mohammed Javad Zarif, Iêmen, Irã, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar