09:07 13 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 332
    Nos siga no

    A Rússia trata Cuba como um amigo confiável e está pronta para desenvolver a cooperação com a ilha caribenha, tanto nas esferas militar quanto técnico-militar, segundo afirmou o ministro russo da Defesa, Sergei Shoigu, durante uma reunião nesta sexta-feira (24), em Moscou, com o vice-presidente do Conselho de Ministros de Cuba, Ricardo Cabrisas.

    "Pretendemos continuar a cooperação no fornecimento de armas modernas e equipamento militar às Forças Armadas Revolucionárias Cubanas", disse Shoigu, de acordo com um comunicado emitido pela pasta de Defesa da Rússia. 

    Ontem (23), Cabrisas também se reuniu com o ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov.

    De acordo com Shoigu, a cooperação russo-cubana recebeu um reforço adicional após a visita do presidente russo Vladimir Putin a Havana, em julho do ano passado, logo após o Parlamento russo ter aprovado um acordo para perdoar 90% da dívida contraída por Cuba com a União Soviética. Como herdeira legal da URSS, a Federação Russa isentou a ilha caribenha de pagar US$ 32 bilhões dos US$ 35,2 bilhões que devia.

    "Todas as decisões tomadas durante a visita estão sujeitas a um atento controle e implementação em nosso país", afirmou Shoigu nesta sexta-feira.

    "Nossa cooperação no setor militar está se desenvolvendo ativamente e meus encontros de fevereiro em Havana provaram nossa vontade comum para a expansão de nossas relações de parceria nas esferas militares e técnico-militares", disse o ministro russo, em referência à visita de negócios que fez à capital cubana durante sua turnê pela América Latina, que também envolveu escalas na Venezuela e na Nicarágua.  

    Segundo Cabrisas, a visita de Shoigu a Havana "ajudou a reforçar a cooperação" entre os dois países.

    As relações de amizade entre a América Latina e a Rússia vêm se fortalecendo significativamente em meio à guerra de sanções que os EUA, alguns países europeus e os aliados ocidentais dos norte-americanos empreendem contra Moscou, alegando um suposto envolvimento russo no conflito interno da Ucrânia. 

    No entanto, foram os EUA que se apressaram em intervir na Ucrânia para catalisar o golpe de Estado que derrubou em fevereiro do ano passado o então presidente Viktor Yanukovich, criando no país um cenário de turbulência extremamente violento para a população civil, segundo escreveu o ex-congressista norte-americano Ron Paul, em artigo publicado em seu site um ano após o golpe.

    Em recente entrevista à Sputnik, o Professor de Relações Internacionais da ESPM-Sul e ex-diretor do BRICS Policy Center da Pontifícia Universidade Católica – Prefeitura do Rio de Janeiro, Fabiano Mielniczuk, analisou o atual quadro geopolítico traçando uma analogia ao período da Guerra Fria. 

    Segundo o especialista, a URSS, em resposta às atividades norte-americanas nas suas fronteiras, particularmente à instalação de bases na Alemanha, passou a atuar nas proximidades da fronteira dos EUA, ampliando a cooperação militar com Cuba. Transportando a situação para os dias atuais, o avanço da presença russa na América Latina seria também uma forma de resposta às intervenções de Washington na Ucrânia.

    Ainda de acordo com Mielniczuk, a normalização das relações entre Cuba e EUA também se deve, em parte, à atuação russa na região. Washington, ao retomar as relações com Havana, estaria tentando minar a influência de Moscou.

    Apesar disso, segundo declarou recentemente o chanceler russo, Sergei Lavrov, a qualidade dos laços entre a Rússia e a América Latina é extremamente valorizada por Moscou. Por ocasião do aniversário de 70 anos do estabelecimento de relações diplomáticas entre as duas regiões, ele voltou a afirmar que “em um ambiente internacional turbulento, é de particular importância o compromisso comum de princípios tão importantes como o multilateralismo, o respeito pelo direito internacional e o reforço do papel central da ONU". E concluiu:

    "Hoje, o desenvolvimento dinâmico da cooperação entre os nossos países em vários campos prova que a distância não é um obstáculo para a cooperação. Os Estados latino-americanos são parceiros de confiança da Rússia na arena internacional. Nós valorizamos muito isso.”

    Mais:

    Argentina e Rússia planejam desenvolver projetos nucleares conjuntos na América Latina
    Obama: os tempos de intervenção dos EUA na América Latina estão no passado
    Rússia estreita relações com América Latina
    Líder de Cuba participará das comemorações do Dia da Vitória em Moscou
    Tags:
    armas, cooperação militar, Ricardo Cabrisas, Ron Paul, Fabiano Mielniczuk, Sergei Shoigu, Sergei Lavrov, Vladimir Putin, União Soviética, URSS, Cuba, América Latina, EUA, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar