21:40 16 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0 82
    Nos siga no

    A companhia russa de energia Gazprom considera a acusação antitruste da Comissão Europeia como "infundada" e espera resolver a questão nos mais altos níveis de autoridade da Rússia e da União Europeia, segundo disse a empresa em um comunicado nesta quarta-feira (22).

    "A Gazprom considera infundadas as acusações feitas pela Comissão Europeia, enquanto que a Declaração de Objeções à Gazprom é simplesmente parte de uma investigação antitruste em curso, o que não significa que a Gazprom tenha sido considerada culpada de qualquer violação da legislação antitruste da União Europeia", ressaltou a empresa.

    A declaração se refere ao anúncio feito hoje pela parte europeia sobre o lançamento de uma ação judicial contra a Gazprom, com base em acusações a respeito da suposta cobrança excessiva de clientes na Europa Central e Oriental. Segundo as palavras da Comissária Europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager:

    "A Gazprom é uma empresa grande e altamente profissional, que é extremamente importante para a Europa. A Comissão Europeia não tem problemas com a Gazprom como uma companhia, mas a Comissão Europeia tem problemas com algumas das suas práticas comerciais no mercado europeu de gás. Elas devem ser discutidas".

    A corporação russa produz, transporta e vende gás natural para os consumidores europeus, mas o chamado Terceiro Pacote Energético da União Europeia requer a separação da produção, do transporte e da venda de gás para evitar que os fornecedores da commodity dominem a infraestrutura do setor.

    A companhia russa disse que espera a resolução da situação com base em um acordo prévio entre Moscou e Bruxelas, a fim de buscar uma decisão mutuamente aceitável sobre a investigação antitruste.

    A Comissão Europeia, por sua vez, disse que a Gazprom tem 12 semanas para responder à Declaração de Objeções e, ao mesmo tempo, expressou interesse em manter conversações bilaterais sobre o assunto com representantes da empresa. Ainda segundo a parte europeia, a Gazprom pode ser obrigada a pagar uma multa equivalente a até 10% do seu comércio global bruto.

    O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse no início do dia, em entrevista a três rádios russas, incluindo a Sputnik, que todos os contratos firmados entre a Gazprom e os seus parceiros estão de acordo com legislação vigente na União Europeia no momento da assinatura.

    “O argumento é simples: todos os contratos que a Gazprom assinou com seus parceiros foram concluídos em total conformidade com o regime legal que existia na União Europeia naquela época. Quando o Terceiro Pacote Energético foi adotado na União Europeia, tentativas foram feitas para aplicar essas exigências retroativamente aos contratos anteriores também. Isso é absolutamente inadmissível”, explicou o chanceler russo.

    Além disso, Lavrov afirmou estar confiante de que um acordo seja alcançado entre as duas partes, uma vez que os novos projetos para o fornecimento de gás da Rússia são do interesse de Bruxelas.

    "Estou confiante de que os novos projetos que estão sendo discutidos, em primeiro lugar, o chamado gasoduto Corrente Turca, são do interesse da Europa", disse o ministro.

    O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou em 1º de dezembro do ano passado que o projeto para a construção do gasoduto Corrente do Sul estava sendo cancelado devido à abordagem desconstrutiva da União Europeia para a cooperação nesta esfera, e particularmente à decisão da Bulgária de suspender a construção de um trecho do gasoduto em seu território.

    Em vez disso, a Rússia vai construir um gasoduto para a Turquia, onde será criado um centro para a distribuição do gás russo para a Europa, segundo informou Putin. O Corrente Turca terá uma capacidade de 63 bilhões de metros cúbicos, dos quais 50 bilhões de metros cúbicos serão fornecidos para uma nova plataforma de gás na fronteira entre Grécia e Turquia. O projeto vai percorrer 660 km ao longo do antigo corredor do Corrente do Sul e 250 km no novo corredor em direção à parte europeia da Turquia.

    Mais:

    UE quer gás do Irã para não depender da Rússia
    Especialista: União Europeia não conseguirá substituir o gás russo que passa pela Ucrânia
    Rússia estuda dar desconto no preço do gás para a Ucrânia
    Tags:
    antitruste, Terceiro Pacote Energético, gasoduto, gás, Corrente do Sul, Corrente Turca, Comissão Europeia, União Europeia, Gazprom, Margrethe Vestager, Sergei Lavrov, Bulgária, Bruxelas, Turquia, Europa, Moscou, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar