05:57 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Relações sino-russas

    Mídia: cooperação entre Rússia e China muda ordem mundial

    © Sputnik/ Sergei Guneev
    Mundo
    URL curta
    0 5066713

    A crise ucraniana e as sanções do Ocidente aceleraram a cooperação entre a Rússia e a China nos domínios político, militar e de energia.

    A política de abertura da China e a política oriental da Rússia estão intimamente interligadas, ambos os países têm muito em comum e desfrutam de uma oportunidade histórica de desenvolver as suas relações bilaterais, escreve o jornal China Times.

    As relações russo-chineses mostram o mais rápido desenvolvimento entre os três grupos de parceiros (China-Rússia, China- Coreia do Sul, Japão- Índia). A expansão da cooperação entre os dois países foi acelerada pela crise ucraniana e sanções ocidentais e está gradualmente se tornando uma ameaça à dominação dos Estados Unidos, escreveu o jornal.

    A Rússia e a China expandiram os seus laços nos domínios político, militar, energia, investimento, humanitária e áreas tecnológicas. No momento, o volume de comércio entre os dois países equivale a US$ 100 bilhões e deverá dobrar nos próximos cinco anos.

    Em maio, os líderes de 26 países, incluindo a China, Índia, Vietnã, Coreia do Norte e Mongólia, participarão do desfile do Dia da Vitória em Moscou.

    Além disso, a decisão da Rússia de se juntar ao Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas pode reforçar a ideia de que o presidente russo, Vladimir Putin, pretende melhorar a cooperação com esses mesmos Estados.

    Os dois países já chegaram a um consenso em relação ao fornecimento de aviões russos Su-35. Os líderes de ambos os países deverão anunciar planos para realizar exercícios navais conjuntos no mar Negro durante as próximas negociações.

    Segundo o jornal, isso significa que Moscou e Pequim estão tomando uma posição estratégica para enfrentar os EUA em uma "nova era da Guerra Fria."

    Tags:
    cooperação, EUA, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik